Você sabia que existem pessoas fisicamente incapazes de apreciar música?
946
Compartilhamentos

Você sabia que existem pessoas fisicamente incapazes de apreciar música?

Último Vídeo

É realmente difícil conhecer alguma pessoa que oficialmente não goste mesmo de música, seja qual for o estilo. No entanto, elas existem e não dizem que não apreciam apenas para “fazer tipo” não, pois, segundo uma pesquisa, essas pessoas são fisicamente incapazes de curtir uma musiquinha.

Para a maioria de nós, a menor sugestão de que certa canção não consegue evocar uma resposta emocional em outro ser humano soa absurdo. Claro, que a pessoa pode não gostar dessa música tanto quanto você, mas ela deveria ao menos sentir alguma coisa, certo?

Não necessariamente, de acordo com Josep Marco-Pallerés, um neurocientista cognitivo da Universidade de Barcelona e autor de um novo estudo que analisa por que algumas pessoas se sentem indiferentes à música. "A música não é gratificante para elas, como outros tipos de recompensas, como dinheiro ou comida, são", diz ele, que completa que a música não afeta esses indivíduos. 

Para descobrir por que, os pesquisadores recrutaram 30 estudantes universitários, que tinham sido identificados em grupos como muito sensíveis à música, moderadamente sensíveis ou não sensíveis, após responderem um questionário.

Pesquisa

Fonte da imagem: Shutterstock

Para o processo de estudo, os pesquisadores ainda se certificaram de que os participantes não estavam deprimidos ou com alguma deficiência auditiva, além de verificarem se eles eram incapazes de entender a música — fatores que poderiam ter atenuado as suas respostas de prazer.

Em seguida, os pesquisadores monitoraram os batimentos cardíacos dos universitários e os níveis de transpiração durante audições envolvendo peças conhecidas de música, pois estudos anteriores demonstraram que as pessoas reagem mais fortemente às músicas que elas já conhecem.

"Pedimos-lhes que eles trouxessem a música que eles mais gostavam. E a maioria teve problemas com isso”, disse Josep Marco.  "Aqueles que eram indiferentes à música ou acabou trazendo um número menor de gravações ou tiveram de pedir emprestada a música de um membro da família”, revelou o pesquisador.

Os resultados do estudo, publicado essa semana na revista científica Current Biology, são surpreendentes. Embora esses participantes fossem perfeitamente capazes de perceber quando uma música era triste ou feliz, eles não demonstraram nenhuma reação física ou emocional.

Eles nem vibravam se um cantor alcançasse uma nota alta e sua frequência cardíaca não aumentava a cada crescimento gradual do volume. No entanto, tudo mudou quando a pesquisa envolveu dinheiro.

Dinheiro em jogo

Durante a pesquisa, quando questionados sobre realizar um tipo jogo que envolvia uma recompensa monetária, aqueles participantes que eram indiferentes à música reagiram como todos os outros: o pensamento de ganhar, mesmo uma pequena quantidade de dinheiro, era suficiente para fazer seu coração acelerar.

Porém, segundo o pesquisador, não devemos confundir uma indiferença à música como desagrado. Quando os alunos foram convidados a descrever a sua afinidade com a música em uma escala de um a dez, por exemplo, aqueles que eram indiferentes geralmente respondiam com o número cinco — o equivalente matemático a um “tanto faz”.

E essa condição da incapacidade de apreciar a música tem um nome, segundo os pesquisadores, e ela se chama anedonia musical específica. O termo anedonia é usado por psicólogos para descrever a incapacidade de uma pessoa em ter prazer em atividades agradáveis. Mas, como o experimento de recompensa monetária indicou, esta anedonia específica só afeta a percepção da música.

"Agora que sabemos que há pessoas com essa condição, queremos saber as bases neurais que podem explicar isso", disse Josep Marco. A equipe de pesquisa pretende realizar uma nova experiência usando a ressonância magnética funcional para estudar como o sistema de recompensa do cérebro é diferente nessas pessoas. E você, leitor, conhece alguém que não goste de música?

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.