Engenheiro constrói casa resistente a terremotos usando plástico reciclável

Engenheiro constrói casa resistente a terremotos usando plástico reciclável

Último Vídeo

Por meio de uma publicação em seu site, a Universidade de Guadalajara lançou o método de construção de casas criado pelo engenheiro mexicano Ramón Martín Espinosa Solís, que projetou e criou chapas de plástico para a fabricação de casas que respeitam o meio ambiente - graças a reciclagem dos materiais - e possuem vantagens importantes, como o fato de serem mais econômicas, capazes de regular a temperatura, umidade e resistir a terremotos.

“Nesta casa não há ar condicionado, e a diferença da temperatura com o exterior é de cerca de 6º C. Isto se deve aos materiais isolantes que causam uma transmissão de calor lenta. Além disso, o projeto arquitetônico bioclimático permite a ventilação cruzada, para que o calor que transmite o material de fora para o interior seja erradicado”, explicou Solís.


Foto: Reprodução/Universidade de Guadalajara

Outro ponto positivo é o tempo de construção, já que para se construir uma casa de 50 m² é necessário um período de quatro semanas, enquanto uma casa de materiais convencionais leva entre três e quatro meses. “Esta casa nunca terá umidade, nem a necessidade de fazer a manutenção da placa de plástico, que tem um período de degradação de mais de 100 anos, enquanto uma construção convencional tem uma vida útil de 50 a 70 anos”, completou o mexicano.

A ideia de utilizar placas plásticas para proteger de terremotos se deve ao fato de que, segundo Solís, os materiais rígidos tendem a quebrar, mesmo que a construção tenha uma boa estrutura. Enquanto os materiais de plástico absorvem os movimentos telúricos, pois são flexíveis.

Sustentável - O plástico demora mais de 400 anos para se decompor, apesar disso, ele tem se acumulados em mares, rios e na terra. Esse tipo de projeto contribui com o meio ambiente, já que esse material é usado na criação dessas placas para a construção das casas - são usados frascos de shampoo, garrafas de leite, cadeiras quebradas, etc.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.