Seja o primeiro a compartilhar

Vacina contra malária começa a ser aplicada em população africana

Em um marco histórico na luta global contra a malária, Camarões lançou o primeiro programa nacional de vacinação contra a doença, marcando um ponto de virada transformador na saúde pública africana. A iniciativa busca salvar milhares de vidas, especialmente crianças menores de cinco anos, que representam mais de 80% das mortes causadas por essa enfermidade transmitida por mosquitos.

No coração dessa batalha está a vacina RTS,S, também chamada de Mosquirix, que, após uma fase piloto bem-sucedida, está sendo implementada em grande escala em todo o continente africano, com Camarões liderando a jornada.

Momento histórico

Vacinação em larga escala contra a malária visa salvar milhões de crianças. (Fonte: GettyImages/ Reprodução)Vacinação em larga escala contra a malária visa salvar milhões de crianças. (Fonte: GettyImages/ Reprodução)

O pequeno Noah Ngah, de apenas seis meses, tornou-se o primeiro a receber a injeção de RTS,S, desencadeando aplausos, encorajamento e vários sorrisos no hospital da cidade de Soa, que fica a poucos quilômetros da capital Yaoundé. 

A mãe de Noah, Helene Akono, foi na contramão daqueles que desconfiam das vacinas e expressou alívio e confiança no programa de vacinação, destacando a importância de proteger as crianças.

A distribuição da vacina está ocorrendo em 42 distritos prioritários em todo o país e, de acordo com o sistema de saúde do país, deve atingir uma população de aproximadamente 28 milhões de pessoas. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS), UNICEF e a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi) endossaram a iniciativa como um "passo histórico", destacando a necessidade de uma vacinação mais ampla contra uma das doenças mais mortais para as crianças africanas.

O lançamento formal ocorreu após a chegada de mais de 300 mil doses de RTS,S a Yaoundé, dois meses após o seu desembarque em novembro. Esse esforço coordenado visa desobstruir o sistema de saúde camaronesa, onde 30% das consultas estão relacionadas à malária.

A vacina é ofertada a todas as crianças, gratuitamente, devendo ser administrada em quatro doses durante o programa. Inclusive, faz parte do programa incentivar os pais a levarem seus filhos para concluírem o processo de vacinação.

Medidas adicionais

A vacinação é feita em 4 doses. (Fonte: GettyImages/ Reprodução)A vacinação é feita em 4 doses. (Fonte: GettyImages/ Reprodução)

Embora a eficácia da vacina seja cerca de 36%, representando um avanço significativo, especialistas alertam que não é uma solução única, mas sim uma ferramenta valiosa quando combinada com outras medidas, como o uso de redes mosquiteiras, inseticidas e comprimidos contra a malária. 

Os cientistas ressaltam que, embora não resolva o problema de uma vez, a vacina pode salvar vidas, especialmente em crianças de 2 anos, as mais suscetíveis a formas graves da doença.

O lançamento em Camarões sinaliza uma mudança mais ampla na abordagem à malária em todo o continente africano. Benim, Burkina Faso, Libéria e Níger estão entre os países que seguirão os passos camaroneses com programas de vacinação em larga escala. 

Com a vacinação em curso em Camarões, a visão de uma África livre da malária se torna mais tangível, reforçando a ideia de que, com esforços coordenados e inovações na saúde, é possível superar desafios de longa data.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.