Seja o primeiro a compartilhar

Gripe Equina: a pandemia que transformou os EUA no século XIX

Desde 430 a.C que a humanidade sofre com pandemias, sendo a primeira registrada em Atenas durante a Guerra do Peloponeso. Vindo da Líbia, Etiópia e Egito, a doença – certamente febre tifoide – causava febre, sede, língua e garganta com sangue e lesões cutâneas. A pandemia foi a responsável por levar a derrota do povo ateniense para os espartanos, com a morte de dois terços da população.

Pandemias sempre resultaram em um acúmulo de fatores, ou seja, mortes que levam à turbulência econômica. Em 1886, quando o primeiro automóvel ainda estava há 14 anos de distância e a produção em massa não aconteceria até o século XX, os cavalos eram os únicos meio de locomoção de maneira rápida e confortável.

A economia e a sociedade dependiam inteiramente do transporte animal, então no momento em que a gripe equina chegou naquele outono, a crise foi geral.

A crise

(Fonte: Pinterest/Reprodução)(Fonte: Pinterest/Reprodução)

Não demorou muito para que as pessoas notassem os sintomas das doenças nos cavalos: tosse áspera, febre, orelhas caídas e exaustão eram sintomas inconfundíveis da gripe equina. Do Canadá à América Central, estima-se que cerca de 8 milhões de cavalos morreram.

Cidades como Ontário paralisaram completamente, e o resultado disso foram toneladas de produtos apodrecendo em cais, depósitos transbordando de mercadorias não entregues, bares e mercados com prateleiras vazias. Ninguém ia à casamentos ou funerais, e as empresas chegaram a contratar por altos salários pessoas que pudessem empurrar seus carrinhos de entrega.

(Fonte: The Pantagraph/Reprodução)(Fonte: The Pantagraph/Reprodução)

Há duas décadas de distância de os cientistas identificarem o vírus, o que os proprietários dos cavalos poderiam fazer era desinfetar os estábulos, melhorar a alimentação dos animais e cobri-los com novos cobertores. Aqueles que viam os animais somente como meio de trabalho, deram gim e gengibre para eles e tinturas mascáveis de arsênico na esperança de que se recuperassem o mais rápido o possível.

Segundo o Chicago Tribune da época, muitos cavalos foram maltratados e sobrecarregados apesar de estar doentes, causando milhares de mortes em vias públicas.

A reforma de Bergh

(Fonte: HistoryNet/Reprodução)(Fonte: HistoryNet/Reprodução)

André Smith, veterinário e fundador do Ontario Veterinary College, disse que não existiu um paciente zero, apenas que os casos começaram a acontecer em York, Scarborough e Markham. O filantropo Henry Bergh, fundador da Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade Contra Animais, foi o responsável por aprovar a primeira lei anti-crueldade moderna do país.

Além disso, Bergh foi quem administrou bloqueios na cidade para checar o estado dos cavalos que entravam e saíam, impedindo que a crueldade humana contra eles se propagasse. 

Conforme a doença foi seguindo seu fluxo, a sociedade passou a se perguntar se um dia se recuperaria das marcas deixadas pela pandemia. O episódio marcou a busca incessante pela substituição do cavalo por novas tecnologias de vapor e eletricidade, e a necessidade de não tratar animais como se eles fossem máquinas.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER