As dores “convencionais”, como de cabeça, musculares e de estômago, podem ser eliminadas com remédios. Contudo, existem situações que nem mesmo os mais potentes analgésicos são capazes de resolver.

O site Discovery News entrou em contato com Allan Basbaum, responsável pelo Departamento de Anatomia da Universidade da Califórnia e editor da PAIN, periódico oficial da Associação Internacional de Estudos da Dor, para criar uma lista das condições físicas mais dolorosas para os seres humanos.

É válido mencionar que a ordem de apresentação das dores não representa que uma situação seja pior que a outra, pois a intensidade de dor pode variar de acordo com o organismo da pessoa e o estágio da doença.

1. Cefaleia em salvas

Fonte da imagem: Reprodução/Shutterstock

A cefaleia em salvas é considerada a dor de cabeça mais forte pela medicina atual. Ela se caracteriza por atingir apenas uma parte do crânio (geralmente na área ocular ou temporal), causa entupimento ou escorrimento nasal e deixa os olhos lacrimejantes. As crises podem durar de 15 minutos a 3 horas em ciclos de até oito vezes ao dia.

Esse tipo de dor é rara: apenas 0,1% da população dos EUA, por exemplo, sofre com ela — segundo dados do Centro de Dor de Cabeça da Universidade da Califórnia. Contudo, as mulheres que já a sentiram chegam a compará-la com a dor do parto sem anestesia.

2. Cálculo renal

O cálculo renal (popularmente conhecido como pedra no rim) consiste na constituição de massas sólidas a partir da cristalização de sais minerais nos rins ou canais urinários. Essas formações rígidas causam dores que se espalham por abdômen, costas, lateral do corpo e até virilha, além de gerar náusea, vômito e urina fétida.

3. Neuralgia do trigêmeo

Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons

Também conhecida como doença de Fothergill ou síndrome da dor facial paroxística, a neuralgia do trigêmeo é um distúrbio que afeta um dos mais importantes nervos da nossa cabeça, o nervo trigêmeo. Ela causa intensas e constantes dores nos olhos, nariz, mandíbula, testa e até no couro cabeludo. Essa situação é mais comum entre as mulheres com mais de 40 anos.

4. Lesão medular

Além de correr o risco de ficar paralítica ou tetraplégica, a pessoa que sofre uma lesão na sua medula espinhal sente dores extremamente fortes. Allan Basbaum explica que “a experiência da dor é interpretada pelo cérebro. Só porque não há entrada, isso não significa que o cérebro não terá uma resposta”.

5. Queimadura

Queimaduras causam dor contínua, que piora quando a pele é esticada ou apenas levemente tocada, o que acontece devido aos nervos danificados. Além disso, o próprio tratamento de recuperação ocasiona dores adicionais, pois as limpezas e trocas de curativos regulares necessárias geralmente acabam gerando incômodos.

6. Pedra na vesícula

Fonte da imagem: Reprodução/Shutterstock

Tendo como nome científico colelitíase, a pedra na vesícula é basicamente a formação de cálculos rígidos na vesícula biliar, os quais podem evoluir para uma inflamação desse órgão. O sintoma dessa doença é uma dor súbita que pode perdurar por 5 horas na região superior direita do abdômen e ser acompanhada de vômito, febre, alteração de fezes e amarelamento da pele e da parte branca dos olhos.

7. Parto

O nascimento de uma criança causa dores tão intensas na mãe que as dores do parto servem até como uma referência de comparação entre outras situações, como mencionamos acima na apresentação do cefaleia em salva.