Textos que não foram incluídos na Bíblia falam de magos e demônios

Textos que não foram incluídos na Bíblia falam de magos e demônios

Último Vídeo

A Bíblia que conhecemos atualmente foi definida pela Igreja Católica no final do século IV, mas você sabia que existem mais de 300 outros textos que não foram incluídos na obra religiosa, inclusive alguns falando de batalhas com magos e demônios

Muitos desses manuscritos estão em grego ou latim e vieram de diversas partes da Europa e Egito. Felizmente, eles foram traduzidos este ano, no livro New Testament Apocrypha: More Noncanonical Scriptures (Volume 2).

“Os textos apócrifos eram essenciais para a vida espiritual dos cristãos muito depois das aparentes escolhas canônicas, e as tentativas de evitar e até mesmo destruir essa literatura nem sempre eram eficazes”, explicou Tony Burke, editor do volume e professor de cristianismo primitivo na Universidade de York, no Canadá.

A batalha do Bispo Basílio

O texto foi encontrado no Monastério do Santo Macário, o Grande, no Egito. (Fonte: Alamy/Reprodução)
O texto foi encontrado no Monastério do Santo Macário, o Grande, no Egito. (Fonte: Alamy/Reprodução)

Um dos contos foi escrito em copta (um idioma do Antigo Egito que utiliza o alfabeto grego), e originou-se por volta de 1.700 anos atrás. Ele narra a história do Bispo Basílio, que pode ter vivido entre 329 a 379 d.C., e é visitado pela Virgem Maria em seus sonhos. Ela pede ao religioso que encontre uma estatueta que não foi feita por mãos humanas e coloque a tal imagem no topo de duas colunas dentro da igreja na cidade de Filipos.

Mas as coisas não correm tranquilamente para o bispo. No santuário, ele e seus homens precisam enfrentar um grupo de magos diabólicos que estão tentando impedir sua missão. Mas para sorte de Basílio, a mãe de Jesus estava ao seu lado.

A trama termina com a própria Virgem colocando a estatueta nas colunas, fazendo com que surja uma fonte de água que cura as pessoas. Já os magos, bem, eles são literalmente engolidos pela terra.

“Havia uma tendência de identificar os resquícios do politeísmo usando os magoi ou magos, que representavam perigos para a comunidade cristã, algumas vezes abertamente, e outras clandestinamente”, afirmou o professor de estudos religiosos Paul Dilley, que traduziu o texto.

Pedro e os maus tratos demoníacos

Outro escrito apócrifo presente no New Testament Apocrypha: More Noncanonical Scriptures é datado do século XI ou XII, mas os estudiosos acreditam que ele pode ter surgido centenas de anos antes.

(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)
(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)

Nele, vemos Pedro encontrar demônios disfarçados de seres angelicais. Após as criaturas malignas serem contidas pelo apóstolo, elas reclamam sobre os maus tratos de Deus contra sua espécie, afirmando que os humanos pecadores recebiam mais piedade.

“Vocês têm a parcialidade de Cristo; por isso ele nos castiga, mas lhe poupa quando se arrependem. Portanto, quando ele leva uma prostituta, um cobrador de impostos, um negador, um blasfemador e um caluniador para seu reino, ele deveria levar todos nós também!”, dizem as criaturas das trevas no texto.

Para Cambry Pardee, tradutor do conto e professor visitante de religião na Universidade Pepperdine, em Londres, a história provavelmente está ligada com uma evolução na percepção do pecado.

“A narrativa ressoa com o contexto das especulações dos séculos IV e V sobre o que era pecado, mas sua forma solta e falta de arregimentação parecem representar uma fase inicial desse desenvolvimento”, disse Pardee.

Seja como for, estes manuscritos antes ignorados parecem fornecer mais detalhes sobre o início de uma das maiores religiões do mundo, e estudá-los com certeza dará aos historiadores a chance de tecer uma imagem mais completa das raízes do cristianismo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.