A cachaça causou uma grande revolta no Brasil Colônia de 1660

Foi depois de o colonizador Martim Afonso de Souza trazer pequenas mudas de cana-de-açúcar para a vila de São Vicente (atual cidade litorânea de São Paulo), em 1532, que a cachaça surgiu quando os resíduos do caldo de cana foram destilados. Rapidamente, conforme os engenhos de açúcar se espalharam pelas capitanias, a bebida alcoólica ganhou o Brasil Colônia.

A cachaça se tornou a “queridinha” de colonos e nativos, porém a realeza portuguesa não gostou nada do que viu, principalmente porque Portugal produzia sua própria aguardente, chamada “bagaceira”, feita com o bagaço da uva. A cachaça brasileira significava concorrência e prejuízos econômicos para os produtores de Portugal.

Então, no auge da produção da bebida, em 1635, foi estabelecida pela coroa portuguesa a primeira lei proibindo o consumo da cachaça.

Inconstância

(Fonte: Mapa da Cachaça/Reprodução)(Fonte: Mapa da Cachaça/Reprodução)

No entanto, a falta de poder de fiscalização das autoridades coloniais permitiu que a bebida continuasse a ser produzida e comercializada como se nada tivesse acontecido. Nem mesmo com a Companhia Geral do Comércio, criada em 1647, com o objetivo de obter monopólio da venda de vários produtos nas colônias, impediu que a bebida brasileira continuasse a fazer sucesso por “debaixo dos panos”. O poder era tão grande que ela foi contrabandeada para Angola, então dominada pelos portugueses, e também se espalhou por lá de maneira incontrolável.

O negócio foi bem até que a coroa portuguesa emitisse outra lei de proibição sobre o comércio da cachaça, no fim da década de 1650. Contudo, dessa vez, eles mobilizaram as autoridades para destruírem alambiques, atacarem os trabalhadores e os ameaçarem com multas e deportação para África.

Salvador Correia de Sá e Benevides. (Fonte: Wikipedia/Reprodução)Salvador Correia de Sá e Benevides. (Fonte: Wikipedia/Reprodução)

Diante dessa situação, a saída dos alambiqueiros foi focar seus esforços no contrabando da bebida para Angola, onde ela havia se tornado moeda de troca no mercado de escravizados. Tudo piorou no início de 1660 com a ascensão de Salvador Correia de Sá e Benevides como governador da Repartição Sul do Brasil, cujo cargo se estendia do atual Espírito Santo até São Paulo.

Em um de seus decretos de 31 de janeiro de 1660, ele aceitou a proposta dos governadores da Câmara do Rio de Janeiro para liberar a venda da cachaça sob a cobrança de impostos altíssimos, visto que o estado atravessava uma crise econômica.

Por outro lado, a decisão contrariava as leis de Portugal que lutavam para coibir a venda da bebida, então a solução que Salvador de Sá encontrou foi estabelecer o imposto sobre a riqueza dos cidadãos para tentar compensar o estrago.

A revolta

(Fonte: Sempre Livre/Reprodução)(Fonte: Sempre Livre/Reprodução)

No início de novembro de 1660, Salvador de Sá viajou para São Paulo e deixou o governo do Rio sob os cuidados de seu tio Tomé Correia de Alvarenga, que deveria cumprir sua ordem: colocar soldados nas ruas para cobrar a nova taxa dos moradores.

No entanto, do outro lado da baía de Guanabara, um grupo de senhores de engenho se aproveitaram da instabilidade política na região para se rebelarem e darem início ao que ficou conhecido como Revolta da Cachaça. Liderados por Jerônimo Barbalho, um dos principais produtores da bebida na região, o povo foi inflamado pelos discursos do homem e resolveu tomar as ruas para deter os soldados.

Diante da Câmara, Barbalho exigiu o fim das taxas e o reembolso de tudo o que já havia sido pago pela população. A coroa portuguesa, no entanto, respondeu que apenas visava estabelecer condições justas e dignas para continuarem servindo à cidade.

Na manhã de 8 de novembro, a população revoltada saqueou as casas de Salvador de Sá e de seus parentes, enquanto uma assembleia popular elegeu Agostinho Barbalho, irmão de Jerônimo, como novo governador. Na época, Agostinho foi arrancado do convento franciscano em que estudava e ameaçado de morte para aceitar o convite de governador assinado por 112 senhores de engenho.

Luísa de Gusmão. (Fonte: Pinterest/Reprodução)Luísa de Gusmão. (Fonte: Pinterest/Reprodução)

Ao saber da insurreição, Salvador de Sá aceitou Agostinho como governador até ter tempo suficiente de planejar o seu retorno triunfal para o controle do Rio. Quando Agostinho caiu do governo em 8 de fevereiro de 1661, a nova Câmara decidiu colocar Jerônimo Barbalho no cargo, que se tornou um tirano quando o poder lhe “subiu à cabeça”.

O autoritarismo de Barbalho durou até 6 de abril de 1661, quando Salvador de Sá regressou de São Paulo lançando um ataque surpresa ao governo dos senhores de engenho, deixando a população sem ação com seu poder de fogo.

Em 10 de abril, flanqueado por uma corte marcial, Salvador de Sá escreveu uma carta ao rei Afonso VI pedindo permissão para decapitar Barbalho para desarticular futuras rebeliões — e assim foi feito.

O Conselho Ultramarino de Portugal, que cuidava das colônias, não gostou da revolta e nem de seu desfecho bárbaro, portanto Salvador de Sá foi processado e destituído do cargo. As autoridades concluíram que a Revolta da Cachaça foi justa, perdoando os demais líderes da revolta, visto que eles estavam apenas se revoltando contra a política fiscal do governador e não às ordens da coroa.

No mesmo ano, Luísa de Gusmão, a rainha de Portugal, liberou a fabricação de cachaça no Brasil. Desde 1994, a bebida é reconhecida por lei como “produto cultural” do nosso País.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.