Você soube sobre o cavalinho de 40 mil anos que foi descoberto na Sibéria?
199
Compartilhamentos

Você soube sobre o cavalinho de 40 mil anos que foi descoberto na Sibéria?

Último Vídeo

Nós do Mega Curioso já falamos por aqui sobre o permafrost — um tipo de solo que pode ser encontrado na região do Ártico e que se caracteriza(va) por permanecer constantemente congelado. Por conta dessa característica, o permafrost funciona(va) como uma espécie de freezer natural, preservando toda classe de coisas durante séculos e até vários milênios.

Boa parte da Sibéria é coberta por esse tipo de solo, mas, com a elevação das temperaturas na Terra, algumas regiões estão apresentando degelo e revelando coisas que estavam ali, sepultadas no permafrost e congeladas no tempo. A última descoberta revelada por lá foi o corpo perfeitamente preservado de um cavalinho já extinto que morreu há pelo menos 40 mil anos! Veja o bichinho:

Cavalo preservadoCompletamente preservado (Science Alert/Michil Yakoklev/North-Eastern Federal University)

Inteirinho

De acordo com os pesquisadores que encontraram o exemplar — um time composto por cientistas russos e japoneses —, o animal foi achado enterrado a 30 metros de profundidade em um local chamado Cratera de Batagi, situado na região de Yakutia, uma estrutura geológica com cerca de 1 quilômetro de extensão, 800 metros de largura e 100 m de profundidade e cujo surgimento está ligado ao aquecimento global.

Focinho de cavaloDetalhe do focinho do cavalo (Science Alert/Michil Yakoklev/North-Eastern Federal University)

As estimativas são de que o cavalinho tinha mais ou menos de 3 meses de vida quando morreu, e foi datado como sendo do final do período paleolítico. Entretanto, o que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi o estado de preservação da criatura. O animalzinho foi encontrado ainda com a cauda, crina, cascos e pelagem intactos, sem falar que o permafrost permitiu que inclusive os órgãos internos do bichinho permanecessem protegidos — mesmo depois de 40 mil anos!

Cascos de cavaloAs patinhas do animal (Science Alert/Michil Yakoklev/North-Eastern Federal University)

Os exames conduzidos até o momento revelaram que o cavalinho era da espécie Equus lenensis, tinha pouco menos de um metro de altura e que seu DNA é diferente dos animais que vivem hoje na Sibéria. Outro aspecto interessante relacionado com a descoberta é que os cientistas também coletaram amostras de solo no local onde o filhote foi encontrado e os exames permitirão que eles recriem o ambiente em que a criatura vivia.

***

Você conhece a newsletter do Mega Curioso? Semanalmente, produzimos um conteúdo exclusivo para os amantes das maiores curiosidades e bizarrices deste mundão afora! Cadastre seu email e não perca mais essa forma de mantermos contato!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.