Maior proliferação de algas já descoberta bateu mais de 8,8 mil quilômetros

Maior proliferação de algas já descoberta bateu mais de 8,8 mil quilômetros

Último Vídeo

De acordo com um estudo publicado recentemente por pesquisadores da Universidade da Flórida do Sul, a equipe identificou – através da análise de imagens capturadas por satélites da NASA e expedições a campo – a maior proliferação de algas já descoberta no planeta. Conhecida como “Cinturão do Sargassum Atlântico”, já que se forma anualmente desde 2011, em 2018 a floração se estendeu por extraordinários 8.850 quilômetros no Oceano Atlântico tropical, indo do Golfo do México até a costa oeste da África.

Gigantesca

Esse mundo de algas, segundo o estudo, tem peso superior a 20 milhões de toneladas, se forma em consequência da dinâmica das correntes oceânicas e – possivelmente – é alimentado por nutrientes transportados ao mar principalmente pelo Rio Amazonas. Conforme explicaram os pesquisadores, é normal que na primavera e no verão o rio “despeje” nutrientes no oceano, mas, com o aumento do uso de fertilizantes e do desmatamento aqui no Brasil na última década, o aporte de nutrientes se tornou maior, e isso pode estar contribuindo para que a proliferação de algas seja mais intensa. Uma parte menor do aporte vem da África.

Os cientistas precisam realizar mais levantamentos e analisar mais dados para confirmar que isso é o que está causando essas monstruosas proliferações, mas eles já identificaram que os picos ocorrem entre abril e julho. Ademais, depois que as florações se dissipam, algumas sementes persistem durante o inverno e acabam contribuindo para a proliferação seguinte. Sem falar que tudo indica que o equilíbrio químico do oceano vem sendo alterado gradualmente, o que consiste em mais um fator para as explosões de algas anuais.

(Fonte: IFLScience! / USF College of Marine Science)

Com relação às consequências que essas proliferações massivas podem trazer aos oceanos, os pesquisadores alertaram que, embora a presença dessas plantas ofereça vantagens, o excesso delas pode criar problemas. Isso porque, por um lado, as algas podem servir de habitat para uma variedade de animais, como peixes, aves, crustáceos e tartarugas, por exemplo, além de produzirem oxigênio para a vida marinha por meio da fotossíntese.

Contudo, sabe-se que, em excesso, as algas podem dificultar a respiração e mobilidade de animais, em especial quando as proliferações se concentram mais próximo do litoral, e ao morrer, as plantas acabam se depositando no fundo do mar ou sobre corais, podendo matar essas delicadas estruturas e outros organismos marinhos.

(Fonte: Cayman Compass / Reprodução)

Além disso, no caso de que as algas morram perto da costa, elas podem ser levadas pelo mar às praias, onde apodrecem e liberam sulfeto de hidrogênio, um composto que, ademais de cheirar bastante mal – e potencialmente espantar banhistas e turistas da área, prejudicando a economia local –, pode trazer consequências negativas à saúde, especialmente para pessoas com problemas respiratórios. Entretanto, a expectativa é a de que as proliferações continuem aumentando, então as complicações tenderão a superar as vantagens nos próximos anos.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.