Médicos testam hormônios femininos no combate à covid-19

Médicos testam hormônios femininos no combate à covid-19

Último Vídeo

Pesquisas e estudos se multiplicam em todo o mundo e o objetivo é o mesmo: encontrar alternativas de combate à covid-19. De acordo com o New York Times, os homens representam aproximadamente 75% dos pacientes com a doença internados no Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles, que estão em terapia intensiva ou ainda em ventilação. Já de acordo com a NPR, no início de abril, os homens infectados em Nova York representavam o dobro de mortes do que as mulheres.

Hormônios femininos podem fortalecer o organismo contra infecções causadas pela covid-19 (Fonte: Unsplash)Hormônios femininos podem fortalecer o organismo contra infecções causadas pela covid-19 (Fonte: Unsplash)

Os dados que apontam a maior incidência da covid-19, maior gravidade e maior número de mortes entre os homens fez com que dois ensaios clínicos se voltassem para as diferenças hormonais e como elas podem influenciar no tratamento e combate à doença.

Para a professora de saúde pública global do Colégio Universitário de Londres, além das doenças pulmonares, cardíacas e dos hábitos menos saudáveis dos homens, existem boas evidências de que o sistema imunológico feminino é mais forte do que o dos homens.

Estrogênio e progesterona no combate à covid-19

O sistema imunológico feminino é regulado pelos hormônios sexuais estrogênio e progesterona, que são produzidos em maiores quantidades nas mulheres e concedem a elas resistência contra infecções e danos ao sistema imunológico.

A partir disso, cientistas da Cedars-Sinai e da Renaissance School of Medicine da Universidade Stony Brook traçaram dois estudos para utilizar os hormônios em pequenos grupos infectados com a covid-19. Sharon Nachman, principal pesquisador da Universidade Stony Brook, explicou ao Times que, embora não entendam exatamente como o estrogênio funciona no combate à doença, o estudo pode mostrar como o paciente reage ao “tratamento”.

Estudos paralelos

O estudo da Stony Brook será realizado em 110 pacientes confirmados ou presumidos da covid-19 que tenham desenvolvido ao menos um sintoma, mas que ainda não precisaram utilizar suporte respiratório mecânico. Homens acima de 18 anos e mulheres com mais de 55 anos podem participar do estudo. A idade superior das mulheres vai de encontro justamente à produção dos hormônios, que cai significativamente na menopausa e, com isso, elas podem se encaixar no objetivo do estudo, que é analisar o comportamento do organismo à essas respostas.

Cientistas dividiram a pesquisa em dois estudos paralelos (Fonte: Pexels)Cientistas dividiram a pesquisa em dois estudos paralelos (Fonte: Pexels)

Metade do grupo será tratada com um adesivo de estrogênio por uma semana e a outra metade seguirá o tratamento médico convencional.

Já os pacientes do estudo da Cedars-Sinai receberão progesterona, que tem propriedades anti-inflamatórias. Participam da pesquisa, 40 homens internados com infecções leves e moderadas causadas pela covid-19. O primeiro grupo, de 20 pessoas, receberá duas doses do hormônio ao dia, durante cinco dias. E o segundo grupo, seguirá o tratamento convencional.

O objetivo é mostrar que níveis elevados de estrogênio e progesterona podem ajudar o organismo a combater as infecções causadas pela covid-19.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.