Covid-19: cientistas ingleses querem vacina pronta em setembro

Covid-19: cientistas ingleses querem vacina pronta em setembro

Último Vídeo

Apesar de muitos centros de pesquisa do mundo estarem em busca de uma vacina para o coronavírus, como anunciado anteriormente pela Organização Mundial da Saúde (OMS), os pesquisadores ingleses da Universidade de Oxford parecem estar em estágios mais avançados na solução para um possível controle da doença.

Agora, entusiasmados com os resultados positivos de imunização em macacos da espécie rhesus em testes realizados no mês passado, os pesquisadores prosseguirão com os ensaios clínicos da mesma vacina em humanos. Cerca de 1,1 mil voluntários estão sendo submetidos ao teste da fórmula desde a semana passada. A intenção dos cientistas é produzir doses suficientes para a população ser imunizada até o mês de setembro.

(Yves Herman/Reprodução)(Yves Herman/Reprodução)

O comunicado divulgado pela Universidade de Oxford ainda expõe que os primeiros testes iniciados no dia 23 de abril, foram aplicados em moradores de Oxford, Southampton, Londres e Bristol, continuando desde então a realização dos trabalhos. Para receber a dose inicial da vacina é necessário ter entre 18 e 55 anos, possuir boa saúde e ser diagnosticado negativamente para a doença da covid-19.

Otimistas, os pesquisadores responsáveis pelos procedimentos anunciam que estão confiantes nos resultados positivos para que a vacina esteja disponível no último mês do terceiro trimestre do ano. "Pessoalmente, eu tenho um alto grau de confiança sobre esta vacina, porque vem de uma tecnologia que eu já usei antes", afirmou Sarah Gilbert, professora de vacinologia da universidade.

Testes em macacos

Pesquisadores em Montana, nos Estados Unidos, introduziram doses únicas da vacina produzida em Oxford em seis macacos rhesus. A equipe trabalhou em parceria com o centro de pesquisa da universidade britânica neste estudo pré-clínico. Após serem vacinados, os animais foram então expostos ao coronavírus. Mesmo depois de 28 dias de exposição, esses primatas não apresentaram quaisquer sintomas da doença, ficando saudáveis durante todo o período.

Segundo Vincent Munster, integrante da pesquisa, em entrevista ao The New York Times, os macacos desta espécie são os que mais se aproximam, em sistemas biológicos, com o dos seres humanos atualmente. Munster ainda destacou que os resultados deste experimento serão divulgados por meio de um periódico científico já na próxima semana.

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

A vacina chamada de ChAdOx1 nCoV-19, usa um método cada vez mais popular para fornecer sequências terapêuticas de DNA, conhecido como adenovírus não replicante. A fórmula em questão utiliza o mesmo adenovírus de seu antecessor, a ChAdOx1 MERS, para injetar projetos genéticos das proteínas spike que fazem o coronavírus possuir sua forma característica, com espécies de coroas.

Com o avanço das estudos em torno dessas fórmulas, os cientistas conseguiram algumas evidências de que essa vacina poderia ser eficaz e segura no tratamento das pessoas infectadas pelo coronavírus. Contudo, o recrutamento foi iniciado para que os testes pudessem ser realizados. Ainda segundo o comunicado, caso os resultados confirmem as expectativas, mais de 6 mil outros voluntários poderão ser convocados até o final de maio. Resta-nos aguardar os desdobramentos dessas pesquisas.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.