Estudo mostra que dá para viajar no tempo, só falta saber como fazer

Estudo mostra que dá para viajar no tempo, só falta saber como fazer

Último Vídeo

Um release publicado nesta quinta-feira (24) no site da Universidade de Queensland na Austrália traz duas surpresas. Primeiramente, porque apresenta uma modelagem matemática que prova ser teoricamente possível viajar no tempo. E em segundo lugar porque esse novo modelo foi elaborado por um acadêmico do 4º ano do Bacharelado em Ciências Avançadas.

O aluno Germain Tobar vem investigando a possibilidade de viagem no tempo, juntamente com seu orientador, o dr. Fabio Costa. No artigo “Gravidade clássica e quântica”, Tobar utiliza as equações que Einstein criou para descrever os famosos loops de tempo, no qual um observador poderia interagir com seu próprio eu passado.

No entanto, isso traz à tona a questão se essa viagem poderia criar o chamado "paradoxo do avô", no qual o observador interage de forma a evitar sua própria viagem no tempo.

Os dois matemáticos recusam-se a aceitar a inconsistência lógica atribuída a uma viagem no tempo, e propõem dinâmicas complexas nas quais é teoricamente possível que alguém possa viajar dessa forma e mudar a realidade. Porém, alertam que o resultado disso pode ser frustrante.

Exemplos de viagem no tempo

Fonte: UQ News/Divulgação
Costa e Tobar (Fonte: UQ News/Divulgação)

O professor Costa dá um exemplo atual: “Digamos que você viajou no tempo na tentativa de impedir que o paciente zero da covid-19 fosse exposto ao vírus. No entanto, se você impedisse esse indivíduo de ser infectado, isso eliminaria a motivação inicial para você voltar e parar a pandemia”.

A dupla concorda que o universo se ajustaria. Embora o modelo descrito por eles envolva um mundo simplificado, onde causa e efeito são representados por bolas de bilhar quicando umas nas outras, aluno e professor asseguram que ambientes humanos mais complexos operam exatamente da mesma maneira.

Tobar afirma que: “No exemplo do paciente zero com coronavírus, você pode tentar impedir que o paciente zero seja infectado, mas, ao fazer isso, você pegaria o vírus e se tornaria o paciente zero, ou outra pessoa o faria”. 

Ou seja, embora você possa mudar a história, teria que ser de tal forma que você ainda existisse e desejasse fazer essa viagem, evitando qualquer paradoxo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.