Artefato egípcio de 5 mil anos é achado em caixa de charutos

Na semana passada, a Smithsonian Magazine revelou a descoberta de um tesouro arqueológico de uma forma inteiramente diferente de todas já realizadas até hoje: dentro de uma caixa de charutos. O achado, um pedaço de madeira de 5 mil anos retirado da Grande Pirâmide de Gizé, havia sido guardado naquele local por engano.

O artefato de madeira foi retirado da pirâmide, no Egito, em 1872, e é um dos três únicos itens recolhidos da enorme estrutura pelo engenheiro Waynman Dixon e seu amigo James Grant, médico e explorador, com a permissão do Serviço de Antiguidades Egípcias. 

Fonte: University of Aberdeen/Reprodução
Fonte: University of Aberdeen/Reprodução

No retorno para a Inglaterra, Grant trouxe o artefato de madeira, enquanto Dixon se apossou de uma bola e um gancho. Estes dois objetos acabaram sendo colocados no Museu Britânico, mas o pedaço de madeira foi doado pela filha de Grant, em 1946, ao Museu da Universidade de Aberdeen (UAM), na Escócia, onde foi catalogado como “pedaço de cedro de 13 centímetros” e desapareceu.

Esse pequeno pedaço de madeira, que estava desaparecido há mais de 70 anos, pode ter sido colocado na tumba da Pirâmide de Gizé quando a estrutura foi construída há cerca de 5 mil anos, provavelmente como um tipo de ferramenta. 

Procurando agulha no palheiro

Ex-funcionária do Museu Egípcio no Cairo, Abeer Eladany estava vasculhando os arquivos da Universidade de Aberdeen para organizar as coleções, quando encontrou uma velha caixa de charutos com a antiga bandeira do Egito. Depois de descobrir o histórico fragmento de madeira dentro da caixa, ele checou o artefato com os registros do museu e percebeu o que havia encontrado.  

Fonte: University of Aberdeen/Reprodução
Abeer Eladany (Fonte: University of Aberdeen/Reprodução)

“Estava efetivamente escondido, mas à vista de todos na coleção errada”, disse Eladany à Smithsonian Magazine, e acrescentou: “Sou arqueóloga e trabalhei em escavações no Egito, mas nunca imaginei que seria aqui no nordeste da Escócia que encontraria algo tão importante para o patrimônio de meu próprio país”.

Eladany disse que, como as coleções da universidade são muito extensas, chegando a centenas de milhares de itens, procurar qualquer coisa ali é como “procurar agulha no palheiro”. Daí, a enorme felicidade por achar uma coisa tão preciosa dentro de uma caixa de aparência inócua.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.