Anteossauro: réptil exterminador possuía o peso de um hipopótamo

Em meados do período Permiano, há cerca de 265 milhões de anos, o continente africano abrigou um predador letal que, apesar de possuir as dimensões de um hipopótamo, era a combinação ideal entre velocidade e força. O réptil anteossauro chegou a ser visto como lento e pesado por cientistas, mas novos estudos sugerem que ele era o sinônimo de extermínio e um dos caçadores mais eficientes da pré-história.

O anteossauro era membro dos dinocefálios, família de répteis semelhante aos mamíferos e anterior aos dinossauros, que se destacaram como "as primeiras espécies herbívoras e carnívoras que exterminaram os ecossistemas terrestres". Todos os espécimes do grupo foram extintos cerca de 30 milhões de anos antes do surgimento dos primeiros dinossauros e registros fósseis dos dinocefálios foram encontrados em diversas regiões do mundo.

(Fonte: Wits University / Reprodução)(Fonte: Wits University / Reprodução)

Para realizar o estudo, cientistas da Universidade de Witwatersrand em Joanesburgo, África do Sul, analisaram o crânio de um jovem Anteosaurus magnificus da região do deserto de Karoo, na África do Sul, com um aparelho de microtomografia de raios x (micro-CT), que permitiu a reconstrução completa das estruturas internas e externas do osso. 

"Quando o crânio é adaptado à cabeça, o ouvido interno é inclinado para trás por causa de uma reorientação da caixa cerebral para absorver o estresse de combate cabeça-a-cabeça", disse Julien Benoit, o principal autor do estudo, que logo reforçaria a importância da estrutura auditiva do animal para sua sobrevivência.

Um impressionante sistema sensorial

O primeiro vislumbre do ouvido interno de um anteossauro chamou a atenção da equipe de pesquisadores, que ficaram maravilhados com os resultados que alcançaram. Relativamente maior do que em comparação ao de seus parentes e outros predadores, o canal auditivo do dinocefálio permitia que o animal fosse extremamente ágil, graças a lóbulos no cerebelo chamados de flocculi.

(Fonte: Wits University / Reprodução)(Fonte: Wits University / Reprodução)

“Ao criarmos a reconstrução mais completa do crânio de um anteossauro até agora, descobrimos que, de modo geral, seu sistema nervoso foi otimizado e especializado para caçar e atacar rapidamente, ao contrário do que se acreditava antes”, diz a doutora Ashley Kruger, do Museu de História Natural de Estocolmo, Suécia.

"Isso lançará uma nova luz sobre as interações entre animais de um ecossistema totalmente extinto", concluiu Benoit.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.