Brassica: a planta que é couve, brócolis, couve-flor, repolho e muito mais

Poucas pessoas sabem sobre isso, mas couve-de-bruxelas, brócolis, couve-flor, repolho, couve e mostarda são provenientes da mesma planta. A Brassica oleracea, como é chamada cientificamente, é usada há séculos por agricultores e foi domesticada de diferentes formas com o passar dos anos.

Essa planta foi cultivada seletivamente ao longo de centenas de anos para criar dezenas de vegetais totalmente diversos entre si. Ao selecionar e criar plantas com folhas maiores, ou botões maiores, as subespécies foram sendo criadas e tão logo passaram a fazer parte da mesa dos consumidores mundiais.

Domesticação da planta

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

De maneira geral, a Brassica oleracea é uma pequena erva daninha que costuma crescer em afloramentos de calcário ao longo da região costeira do Mediterrâneo. Acostumada com baixas temperaturas, essa planta bienal utiliza suas reservas de energia para sobreviver ao longo do inverno.

Antes de morrer no final do seu segundo verão, essa planta também produz algumas flores amarelas. Por possuírem alto valor nutricional, suas folhas passaram a ser domesticadas em importantes culturas alimentares para o mundo atualmente, como é o caso dos seis vegetais citados no início do texto.

Por perto de 300 a.C., a couve e a brócolis chinês se tornaram os primeiros exemplares de Brassica domesticados após terem as folhas da planta ancestral aumentadas. Esse processo aconteceu em regiões distintas do mundo, visto que a couve é proveniente da Europa, enquanto o brócolis chinês foi adaptado em território asiático.

Mais adaptações

(Fonte: Internet/Reprodução)(Fonte: Internet/Reprodução)

Com o passar dos séculos, cada vez mais novas adaptações da planta foram aparecendo no meio agrícola. Por volta dos anos 1200, as plantações de couve europeia foram ganhando mutações para desenvolver vegetais como o repolho verde e o repolho roxo. Nesse caso, as folhas estão mais firmemente enroladas em um caule curto e largo.

Couves-de-bruxelas são como pequenos repolhos, exceto que crescem dos botões ao longo do caule da planta. Esses vegetais também passaram a figurar no mundo durante o século XIII. O brócolis, por sua vez, desenvolveu-se de um antecessor da couve no século XVI através da seleção de grupos com flores maiores, que são colhidos antes de florescer. Enquanto isso, a couve-flor foi desenvolvida a partir de uma das centenas de variedades de brócolis.

Ao analisarmos a história da Brassica oleracea, podemos notar que os seres humanos têm mexido com a genética dos alimentos muito antes que pensávamos. Isso significa que as técnicas laboratoriais de modificação genética de alimentos não é nenhuma novidade, mas sim uma forma mais precisa e rápida de influenciar a agricultura.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.