Carta de Einstein com a fórmula E=mc² é vendida por US$ 1,2 milhão

Uma carta manuscrita e assinada por Albert Einstein, quando o físico ainda lecionava na Universidade de Princeton nos EUA, foi vendida em um leilão pelo valor de US$ 1,2 milhão, o equivalente a R$ 6,4 milhões. Enviada a um físico rival, a correspondência tem inscrita a famosa equação E=mc².

Comprada por um colecionador anônimo, a carta de uma página está escrita em alemão, em papel timbrado de Princeton e chancela pessoal de Einstein, e foi originalmente enviada ao físico polonês-americano Ludwik Silverstein, um crítico das teorias do físico. A data é 26 de outubro de 1946.

Fonte: RR Auction/ReproduçãoFonte: RR Auction/Reprodução

De acordo com arquivistas do Projeto de Documentos Einstein, do California Institute of Technology e da Universidade Hebraica de Jerusalém, o alto valor atribuído ao documento deve-se ao fato de ser um dos quatro papéis existentes onde Einstein inscreveu a equação E=mc².

Segundo a casa de leilões RR Auction de Boston, nos EUA, a carta permanecia nos arquivos pessoais de Silverstein e superou em três vezes o valor esperado pelos leiloeiros. O preço que se entendia máximo, de US$ 400 mil atingiu o triplo, depois que duas partes travaram uma guerra de lances.

Por que a fórmula E=mc² é tão importante?

Fonte: YouTube/ReproduçãoFonte: YouTube/Reprodução

A equação "energia é igual à massa multiplicada pela velocidade da luz ao quadrado" foi publicada por Einstein pela primeira vez em um artigo científico de 1905. Falando de forma simplificada, a equação afirma que energia e massa (matéria) são intercambiáveis entre si, ou formas diferentes de uma mesma coisa.

Antes da publicação da equação E=mc², massa e energia eram tratadas pelos próprios físicos como entidades separadas, vagamente inter-relacionadas. Com alguns traços de sua caneta, o que Einstein demonstrou foi que, embora vejamos, por exemplo, um raio de luz e uma noz como formas distintas, a Natureza os vê como uma mesma coisa, ou dois lados de uma mesma moeda.

A fórmula é a prova matemática da teoria da relatividade especial de Einstein, segundo a qual nada pode viajar mais rápido do que a velocidade da luz no vácuo, pois um suposto objeto nessas condições teria massa infinita, o que demandaria energia infinita para se mover. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.