Seja o primeiro a compartilhar

Saiba mais sobre os hipopótamos em 5 fatos curiosos

Você sabia que existem duas espécies de hipopótamos, o "comum" e o pigmeu? E que, apesar de se parecerem com outros mamíferos terrestres, como porcos e rinocerontes, os parentes mais próximos dessa espécie são os cetáceos? Pois é! O enorme tamanho desses animais é o que mais costuma chamar atenção neles, mas há várias outros fatos interessantes para destacar sobre os hipopótamos. A seguir, mostramos 5 deles.

1. Há duas espécies de hipopótamos

Começando pelo começo, há mais de uma espécie de hipopótamo, além daquele bicho gordo e simpático que vemos nos documentários. O mais conhecido é o Hippopotamus amphibious, que vive por toda a África subsaariana, em ambientes aquáticos. Um macho pode chegar a 1.500 quilos e cinco metros de comprimento, vivendo cerca de 50 anos.

A outra espécie, de nome científico Choeropsis liberiensis, é chamada de hipopótamo pigmeu. Ele vive nas florestas do oeste da África e é muito menor, pesando no máximo 275 quilos e medindo até 1,75 metros.

O hipopótamo pigmeu é a segunda, menor e menos conhecida espécie (Imagem: Wikimedia Commons)O hipopótamo pigmeu é a segunda, menor e menos conhecida espécie (Imagem: Wikimedia Commons)

2. As duas espécies estão ameaçadas de extinção

Os hipopótamos pigmeus são classificados como espécie "ameaçada" na lista vermelha da IUCN (União Internacional pela Conservação da Natureza), sendo que há menos de 3 mil indivíduos em habitat natural. As principais ameaças são as perdas de território para criação de fazendas, bem como a caça ilegal por sua carne. 

A situação do hipopótamo comum é menos preocupante, mas também não é fácil: ele é classificado como vulnerável pela IUCN, em grande parte pela perda de seu habitat. Na imagem abaixo, é possível ver em vermelho o território que a espécie já ocupou e, em verde, o que ela possui agora. A diferença é enorme.

Os hipopótamos têm muito menos território do que possuíam antigamente (Imagem: Wikimedia Commons)Os hipopótamos têm muito menos território do que possuíam antigamente (Imagem: Wikimedia Commons)

3. Seus parentes mais próximos são os cetáceos

Como dissemos no início, por incrível que pareça, os animais existentes mais próximos dos hipopótamos na evolução são os cetáceos — grupo que inclui baleias e golfinhos. Esses animais tiveram um ancestral comum há dezenas de milhões de anos, que migrou para a água e deu origem aos hipopótamos e cetáceos — e nós já falamos sobre ele aqui no Mega.

Os golfinhos e outros cetáceos são Os golfinhos e outros cetáceos são "parentes" dos hipopótamos na evolução (Imagem: Wikimedia Commons)

4. Vivem perto da água, mas nadam mal

Os hipopótamos vivem em ambientes aquáticos, próximos de cursos da água, mas não nadam muito bem, já que seus ossos são muito pesados e fazem o animal afundar. Mas eles são incrivelmente rápidos para um animal de seu tamanho, podendo correr até 30 km/h nas terras molhadas de seu habitat. 

Os hipopótamos passam a maior parte de seus dias semi-submersos (Imagem: Wikimedia Commons)Os hipopótamos passam a maior parte de seus dias semi-submersos (Imagem: Wikimedia Commons)

5. Nem suor, nem sangue, mas sim filtro solar

Eles não parecem, mas os hipopótamos animais mais perigosos do mundo selvagem — depois, é claro, dos humanos... Mas o líquido avermelhado que cobre a pele de muitos deles não é sangue de suas vítimas. Também não é suor, como muitos pensam. Trata-se de uma secreção que forma um filtro solar natural: ela é formada por substâncias feitas pelo próprio organismo para proteger a pele, que ficam coloridas após alguns minutos.

O chamado O chamado "suor de sangue" dos hipopótamos não é suor, nem sangue (Imagem: ThoughtCo/Reprodução)

Para terminar, outro fato curioso sobre os hipopótamos é que eles se tornaram um problema na Colômbia, depois que Pablo Escobar importou vários deles. Mas, sobre essa história, a gente já publicou alguns textos, então nós convidamos você a saber mais clicando nos links:


Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER