Seja o primeiro a compartilhar

Leonardo Da Vinci tem 14 parentes diretos vivos, aponta estudo

O pintor, artista, inventor e escultor Leonardo Da Vinci, que morreu em 1519, tem 14 descendentes diretos vivos do sexo masculino. É o que aponta um estudo de mais de uma década liderado pelos historiadores Alessandro Vezzosi e Agnese Sabato, publicado na revista Human Revolution na terça-feira (6).

Com o objetivo de reconstruir o perfil genealógico de Da Vinci, os autores precisaram percorrer 690 anos de história, passando por 21 gerações e cinco ramos familiares. Eles partiram de Michelle Da Vinci, patriarca da família, nascido em 1331, e chegaram aos descendentes diretos do pai do autor da Mona Lisa, integrante da quinta geração.

Fazendo parte da sexta geração dos Da Vinci, o gênio italiano nunca se casou nem teve filhos. Mas traçando uma linha contínua entre os seus parentes da linhagem masculina, usando registros de cartórios e documentos históricos, Vezzosi e Sabato encontraram os familiares atualmente vivos.

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

De acordo com Vessozi, os parentes vivos de Leonardo Da Vinci possuem idades entre 1 e 85 anos e não moram na cidade que dá nome à família. Eles vivem em municípios vizinhos e foram encontrados até em Versilia, na costa da Toscana, e têm ocupações como estofador, ferreiro, chef de cozinha, escriturário, artesão e agrimensor.

Solucionando uma dúvida histórica

Falecido aos 67 anos de idade no início do século XVI, o polímata foi enterrado na capela de Saint-Florentin, que fica em Amboise, na França. No entanto, o local foi deixado em ruínas depois da Revolução Francesa e acabou sendo demolido posteriormente.

Relatos dão conta de que o esqueleto dele foi transferido para a capela de Saint-Hubert, também no território francês. Mas até hoje não se sabe se os restos mortais realmente pertencem a Da Vinci, dúvida que poderá ser solucionada com esta descoberta revelada agora, por meio da análise de DNA.

"O Homem Vitruviano", de Leonardo Da Vinci. (Fonte: Wikimedia Commons)

Comparando o cromossomo Y dos ossos enterrados na França com o cromossomo Y dos descendentes diretos vivos, os pesquisadores esperam determinar se o esqueleto é realmente do famoso renascentista.

Decifrar o código genético de Da Vinci também permitirá comprovar a autenticidade das suas obras de arte, notas e invenções, além de fornecer elementos para explorar, cientificamente, algumas das características do artista.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER