Topografia: geógrafo cria incríveis mapas 3D de regiões do mundo

Utilizando conhecimentos de geografia espacial e um avançado software de renderização, o geógrafo Sean Conway, que atende como o fundador do perfil @geo_spatialist, cria impressionantes mapas tridimensionais que contêm informações sobre topografia e formação de relevos, detalhando aspectos curiosos sobre o planeta Terra que muitas vezes passam despercebido pelas pessoas e pelos estudiosos da área.

O projeto de fabricar imagens topográficas iniciou como uma maneira de agregar diversão com carreira profissional, visto que Conway tem formação acadêmica em geografia na Universidade de Kentucky, Estados Unidos, com especialização em Sistema de Informação Geográfica (GIS). Então, seus primeiros arquivos digitais foram compartilhados gratuitamente no Reddit, mas, após o aumento no número de seguidores e entusiastas, o geo_spatialist foi criado como resultado da união do termo "geoespacial" e o título "Especialista Técnico em Ortoimagem".

"Uma das minhas coisas favoritas sobre geografia é que ela se aplica a quase todas as outras disciplinas. As habilidades básicas de GIS estão se tornando um requisito na maioria das outras ciências porque geralmente ajudam a compreender melhor as relações por meio da análise espacial", esclareceu Conway em entrevista. "Quando se trata de minhas renderizações, fico sempre feliz em ouvir que as pessoas realmente aprendem algo com elas. Muitas pessoas me disseram que ver meus mapas ajudou a entender melhor como ler as curvas de nível", ele declarou. 

O que é análise topográfica?

Os trabalhos do geo_spatialist realizam levantamentos topográficos (ou análises topográficas), que são uma etapa fundamental do planejamento de obras ou projetos e se baseiam em um estudo completo, que é fundamentado na superfície de um relevo para determinar características do local, como forma, configuração, alívio e outros aspectos tridimensionais para a criação de contornos.

Dessa forma, os mapas conseguem evitar falhas e custos extras com acidentes; determinar as condições existentes e identificar problemas em um sítio ou área natural; apresentar "retrocessos" e recursos da natureza para incluir na estratégia de edificação; fornecer as condições e dados necessários para o desenvolvimento adequado de estruturas; indicar a possibilidade de construção de anexos essenciais, como vales, represas, barragens, valas de drenagem e outros pontos de importância, com o objetivo de gerar benefícios para todos os tipos de projeto.

Como os mapas são desenvolvidos?

Para fabricar as imagens, Conway utiliza o suporte do programa geográfico ArcGIS Pro para determinar as projeções dos mapas da forma mais precisa possível, tendo como base arquivos de alta resolução encontrados na internet. Em seguida, o técnico parte para a etapa de georreferenciamento, onde alinha as áreas específicas do mapa com os indicadores de elevação digitais modernos, chamados de pontos de controle. Observe na imagem abaixo como funcionam as técnicas nessa fase.

(Fonte: geo_spatialist - Instagram / Reprodução)(Fonte: geo_spatialist - Instagram / Reprodução)

A partir disso, os dados obtidos são enviados para o software 3D, onde é possível alinhar o mapa com os dados de elevação e deslocá-lo para que ele ganhe uma aparência de terreno em formato tridimensional. Assim, o sistema aplica efeitos avançados de Ray Tracing para iluminação e sombreamento realistas em tempo real, bem como inclui técnicas de volumetria, possibilitando a edição de nuvens, neblina, profundidade de campo em câmeras personalizadas e enquadramento facilitado de animações.

"A geografia está sempre se expandindo em novas tecnologias. De aplicativos que podem mostrar pistas de esqui em 3D diretamente no seu telefone a mapas do mundo real usados em jogos diversos, como Pokémon Go. Parece que não faz muito tempo que um professor de Geografia me mostrou uma nova plataforma experimental chamada Google Earth", comentou o especialista. "Fiquei pasmo na época, mas a localização inteligente agora se tornou uma parte tão onipresente de nossa vida diária que, embora o espanto agora seja moderado, a utilidade é extremamente difundida (para o bem e para o mal) e se tornou parte integrante de nossa vida digital", ele explicou.

A importância da digitalização no meio geográfico

Com a revolução das ferramentas digitais, Conway reforça a importância dos recursos avançados para a criação de "uma nova forma" na cartografia tradicional. Ao fabricar seus próprios mapas, o especialista utiliza iluminação, composição e várias técnicas para não apenas trazer descobertas inéditas ou mostrar outros pontos de vista, como também levar conhecimento para o público, motivando os estudos na área e a fidelização na reprodução de diversos terrenos pelo planeta.

Atualmente, além de disponibilizar, em formato pago, alguns de seus mapas no Muir Way, o técnico em ortoimagem espera levar seus modelos para motores de video games e simuladores, evoluindo seus processos de arquivamento e produzindo mais imagens autorais.

"O fato de as pessoas quererem pendurá-los nas paredes como uma obra de arte é algo que eu nunca teria esperado, e estou grato com as respostas que recebi, mas qualquer pessoa que me conhece e entende como vejo meu trabalho sabe que é um exercício acadêmico mais agradável para mim do que qualquer outra coisa", ele conclui.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.