6 curiosidades fantásticas sobre os polvos

Durante a Copa do Mundo de 2010, o maravilhoso polvo Paul conquistou o coração dos internautas ao “prever” corretamente os resultados da seleção alemã durante o torneio. Naquele período, muitas pessoas acreditavam que a criatura tinha algum tipo de superpoder ou contato com forças maiores.

Em geral, os polvos são animais realmente fascinantes e, assim como Paul, costumam ter habilidades notórias. Pensando nisso, nós separamos uma lista com seis curiosidades marcantes sobre esses invertebrados que vão te deixar muito impressionado. 

1. Alta inteligência

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

Os polvos são criaturas altamente inteligentes e com um sistema nervoso muito evoluído. Para se ter ideia, cada polvo tem em média cerca de 500 milhões de neurônios ou células cerebrais. Sendo assim, eles têm a mesma classificação cerebral de mamíferos menores e mais conhecidos pela gente, como é o caso dos cães.

O que muitas pessoas não sabem, entretanto, é que boa parte dessas células cerebrais não ficam alocadas em seus cérebros, mas sim em seus tentáculos. Cada ventosa pode ter até 10 mil neurônios, e são responsáveis por sentidos como o paladar e o tato. 

2. Treinamento de memória

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

De acordo com um estudo feito na década de 1970, os polvos podem ser treinados para realizarem simples tarefas que exigem o uso da memória. Durante uma série de experimentos, os pesquisadores conseguiram comprovar que esses animais conseguiam acionar uma alavanca para receberem uma recompensa em comida.

Ao fim dos testes, os cientistas apontaram que os polvos são animais extremamente capacitados na realização de tarefas que envolvam o uso de memória simples e se saíram muito melhor do que diversas outras espécies, como os pombos. 

3. Reconhecimento de pessoas

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

Se um dia você já fez amizade com um polvo na sua vida, saiba que é provável que ele se lembre de quem você é na próxima vez que vocês dois se encontrarem. Mas isso também significa que ele não vai te esquecer facilmente caso não goste muito da sua pessoa.

Em um laboratório na Nova Zelândia, por exemplo, um dos polvos analisados sempre jogava água para fora do aquário quando seu cientista menos favorito entrava no recinto.

4. Reprodução inusitada

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

O sexo dos polvos é uma atividade realmente intrigante. Para dar continuidade na linhagem, os polvos entrelaçam seus tentáculos uns nos outros em uma dança muito diferente. Em diversas espécies de polvos, somente é possível distinguir machos e fêmeas por meio de uma reentrância na parte inferior do terceiro tentáculo direito.

É essa característica usada pelos machos para acasalar, estendendo seu tentáculo até as fêmeas e depositando o espermatozoide na abertura do tentáculo dela, caso o convite seja aceito. 

5. Múltiplos corações

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Se ter oito braços já não fosse uma característica marcante o suficiente, os polvos têm impressionantes três corações em sua anatomia para bombear um sangue azul-esverdeado por todas as partes do seu corpo — sendo um principal e dois secundários.

Enquanto o coração sistêmico é onde as principais artérias estão conectadas, os corações branquiais servem como uma válvula de escape. A cor do sangue, por sua vez, é resultado das moléculas de cobre existentes no oxigênio dessas criaturas.

6. Ausência de esqueleto

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

Por serem criaturas invertebradas, o corpo dos polvos não é formado por ossos e tampouco esses animais usam conchas para se esconder — algo incomum para seres do mesmo tamanho e complexidade que eles. Ao mesmo tempo que isso os torna mais vulneráveis contra predadores, essa também pode ser uma vantagem na natureza.

Polvos são capazes de atravessar buracos do tamanho de um olho e podem moldar o seu corpo para se encaixar em todo tipo de forma. Sendo assim, dispõem de uma estratégia interessante para não serem devorados no fundo do mar.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.