6 curiosidades incríveis sobre o peixe-boi

Os peixes-bois, também chamados de vacas-marinhas, são criaturas fantásticas e surpreendentemente dóceis. É por isso que não é nada extraordinário encontrar vídeos na internet de algum membro da espécie realizando truques em aquários ou algo do tipo.

Entretanto, dificilmente a maioria de nós conhece mais informações tirando o fato deles serem rechonchudos e surpreendentemente engraçados. Pensando nisso, nós separamos uma lista com seis curiosidades incríveis sobre essas criaturas para você se apaixonar ainda mais. Olha só!

1. Prato cheio

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Um fato que todos nós sabemos é que os peixes-bois são criaturas robustas e bem grandes. Por isso, é de se imaginar que eles se alimentem de muita coisa. Mas o quanto estamos falando? Para se ter ideia, um peixe-boi costuma ingerir 13% do seu peso corporal por dia.

E sua dieta consiste basicamente em plantas aquáticas e semi-aquáticas como algas, aguapés, capins e outras vegetações. Isso significa que um peixe-boi-da-amazônia, uma das espécies que vive no Brasil e pesa 420 kg, costuma comer mais de 50 kg de vegetais em um único dia.

2. Reprodução da espécie

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Em geral, o peixe-boi é um mamífero com reprodutividade bastante baixa, sendo que uma gestação dura cerca de 13 meses e um filho permanece amamentando por 1 ou 2 anos. Por esse motivo, é normal que um peixe-boi só tenha filhos a cada 4 anos de vida.

Para complementar a informação, cada gestação tende a dar origem a um único filhote. Em casos extremamente raros, é possível que um peixe-boi dê à luz gêmeos.

3. Pele dura e caça ilegal

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Embora não possua predadores naturais, o peixe-boi já foi uma espécie que morreu em larga escala no passado. O principal motivo para isso é a sua pele dura, que serve tanto para a alimentação e também para a produção de couro. Isso fez com que esse animal fosse muito caçado antigamente.

No Brasil, a caça de peixe-boi é considerada ilegal desde 1967. Mesmo assim, essa prática continua ocorrendo principalmente entre as populações de ribeirinhos que consomem a carne do animal, tornando-o vulnerável à extinção.

4. Criaturas solitárias

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Um outro problema que ameaça a existência dos peixes-bois é o fato dessas criaturas serem bastante solitárias ou viverem somente em grupos pequenos. Isso dificulta com que eles encontrem parceiros para se reproduzir e diminui o número de indivíduos da espécie.

Além disso, a baixa reprodutividade faz com que esses animais não tenham muita variabilidade genética, o que é considerado importante para que os seres vivos consigam se adaptar ao meio ambiente e ter uma vida mais longa. 

5. Sentidos aguçados

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Além de serem animais bem inteligentes, os peixes-bois impressionam por possuírem sentidos bem aguçados. A visão desses animais é bem apurada e eficaz para navegar por aí. Inclusive, essas criaturas conseguem distinguir cores e possuem uma membrana nos olhos para protegê-los da água.

Por fim, o olfato do peixe-boi é igualmente eficiente, uma vez o seu nariz tem duas aberturas e consegue respirar mesmo debaixo d'água. 

6. Exclusividade brasileira

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Muitas pessoas não sabem, mas o Brasil é o único país no mundo que conta com duas espécies de peixe-boi: o peixe-boi-marinho e o peixe-boi-da-amazônia. Inclusive, ambas podem ser vistas dividindo o mesmo habitat na foz do Rio Amazonas, na região da Ilha de Marajós. 

O problema, porém, é que a hibridização dessas espécies diminui ainda mais a variabilidade genética dos peixes-bois e piora a qualidade populacional. Por esse motivo, essas criaturas estão cada vez mais ameaçadas de extinção no território nacional. 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.