Seja o primeiro a compartilhar

6 fatos bem curiosos sobre a tabela periódica

A tabela periódica é uma importante ferramenta para o estudo da Química. Tal qual um gráfico, ela organiza os elementos químicos de maneira útil e lógica, listando os itens em ordem crescente de acordo com seu número atômico. Dessa forma, os elementos alinhados mostram as mesmas propriedades daqueles que estão na mesma coluna ou linha. 

Entretanto, a tabela periódica esconde alguns segredos que você provavelmente não sabia. Veja seis curiosidades impressionantes dessa grande amiga dos químicos.

1. Inventor da tabela periódica

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Dmitri Mendeleiev (1834-1907) apresentou sua tabela periódica dos elementos com base no aumento do peso atômico em 6 de março de 1869 na Sociedade Química Russa. Por esse motivo, é constantemente citado como o inventor da tabela periódica moderna, mas isso não é exatamente uma verdade.

Embora o trabalho de Mendeleiev seja bem relevante para o meio, naquela época outras pessoas já haviam tentado organizar a tabela de acordo com as propriedades periódicas. Por exemplo, Julius Lothar Meyer (1830-1895) publicou uma tabela periódica que descrevia a colocação de 28 elementos em 1864.

2. Inspiração em jogos de cartas

(Fonte: Shutterstock(Fonte: Shutterstock)

Quando criou a sua tabela periódica, Mendeleiev teve como inspiração um grande amor de sua vida: os jogos de carta. Por esse motivo, o peso de cada elemento foi escrito em um cartão de índice separado e classificado no mesmo modelo de organização que ocorre no jogo Solitário, também chamado de Paciência.

Elementos com propriedades semelhantes, então, formam uma coluna e são ordenados por peso atômico ascendente.

3. Previsão de elementos

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Na tabela periódica original montada por Mendeleiev havia vários espaços em branco distribuídos por todos os lados. Mas qual era o motivo? Ao estimar suas propriedades em relação a outros elementos próximos aos espaços da mesa, o cientista conseguiu prever a existência de elementos que ainda não haviam sido descobertos.

Foi dessa forma que ele conseguiu supor corretamente os pesos e os comportamentos químicos de gálio, escândio e germânio antes de serem descobertos. 

4. Erros de previsão

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Se o modelo de previsão de Mendeleiev serviu para fazer várias previsões acertadas, engana-se quem acreditava que seu sistema era infalível. Ao longo das décadas, esse instrumento foi usado para negar a existência de outros elementos que foram eventualmente descobertos.

Por exemplo, ele negou a existência de argônio depois que foi descoberto em 1894, pois não se encaixava em suas colunas. O mesmo aconteceu com hélio, neônio, criptônio, xenônio e radônio. 

5. Batismo recente

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

A tabela periódica está constantemente passando por reformulações, e alguns elementos só foram nomeados recentemente. Em 28 de novembro de 2016, a União Internacional de Química Pura e Aplicada aprovou o nome e os símbolos para quatro elementos que anteriormente eram chamados de 113, 115, 117 e 118.

Agora, eles podem ser reconhecidos por pesquisadores como nipônio (Nh), moscóvio (Mc), tenesso (Ts) e oganessônio (Og). 

6. Problemas de expansão

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

De acordo com o físico Richard Feynman (1918-1988), jamais seremos capazes de ver o elemento 137 chegar à tabela periódica. O motivo? Tecnicamente, os elétrons do elemento 137 orbitariam na velocidade da luz e não conseguiríamos identificá-lo.

O mesmo vale para o elemento 139, que seria ainda mais rápido que a velocidade da luz. Dessa forma, o conhecimento científico que obtivemos até hoje não é o suficiente para atingirmos esse nível da tabela periódica. 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.