Seja o primeiro a compartilhar

Peixe-leão: 6 fatos sobre a espécie que invadiu o mar brasileiro

Recentemente, uma espécie invasora chegou à costa brasileira e pode se espalhar por todo o litoral do país. Nós estamos falando sobre o peixe-leão, uma criatura sem predadores naturais no Atlântico e que é um caçador sem limites, adaptando-se a diversos ambientes. Para agravar a situação, as fêmeas são capazes de colocar até dois milhões de ovos por ano.

O peixe-leão, além de ser venenoso, pode causar graves prejuízos à pesca e ao turismo. Estudos feitos pela Universidade Federal do Ceará (UFC) estimam que essa espécie pode se espalhar por todo o litoral do Brasil em apenas dois anos. Quer conhecer mais sobre essa intrigante criatura? Veja só essa lista que separamos com seis fatos a respeito do peixe-leão!

1. Espinhos venenosos

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Os peixes-leão possuem dois sulcos em suas espinhas que carregam glândulas de venenos. Para que uma pessoa seja envenenada, o indivíduo teria que ter a pele perfurada por essas "armas naturais". Até então, nenhum caso fatal foi registrado, mas essa picada pode causar dor extrema, suor, desconforto respiratório e até paralisia.

O veneno é uma combinação de proteína, toxina neuromuscular e o neurotransmissor acetilcolina. Caso você seja picado por um peixe-leão, a recomendação é buscar atendimento médico imediato.

2. Evitando ataques

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Assim como acontece com outros animais na natureza, a melhor forma de evitar ser atingido pelo veneno de um peixe-leão é observá-lo a distância. Embora esses animais sejam criaturas formidáveis esteticamente, permanecer afastado pode te poupar de uma enorme dor de cabeça.

Fique atento para sua coloração distinta e suas impressionantes listras marrons e brancas. Olhe sempre para onde você coloca suas mãos e pés na água, pois esses peixes gostam de descansar ao longo de saliências e fendas durante o dia.

3. Fonte de alimento

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Apesar do peixe-leão ser uma espécie invasora que causa grande preocupação para a biodiversidade do litoral brasileiro, esses peixes possuem uma carne branca muito leve que pode ser preparada de várias maneiras para uma belíssima refeição. Em algumas partes do mundo, inclusive, eles são servidos até mesmo como sushi.

Vale lembrar que o peixe-leão em si não é venenoso, mas sim seus espinhos. Desde que essa parte do corpo seja removida no processo de limpeza da carne, o consumo desse animal é completamente seguro.

4. Emboscando presas

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Uma curiosidade sobre o peixe-leão é que eles são predadores de emboscada lentos, aproximando-se sorrateiramente de suas vítimas e usando suas bocas grandes para engoli-las inteiras. Por esse motivo, costumam basear sua dieta quase que inteira em peixes pequenos e invertebrados.

No Indo-Pacífico e no Mar Vermelho, habitats naturais desse peixe, sua lista de predadores naturais incluem tubarões, garoupas, enguias, peixes-sapo e peixes-escorpião.

5. Filhotes aos montes

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Uma das grandes preocupações que os pesquisadores têm a respeito do peixe-leão é que essa é uma espécie com taxas de reprodução completamente impressionantes. Os adultos costumam desovar durante o ano todo e uma única fêmea pode produzir dezenas de milhares de ovos por desova.

Logo, quando essas criaturas dominam um novo habitat sem predadores naturais, é extremamente fácil para elas se expandirem descontroladamente.

6. Animal de estimação

(Fonte: GettyImages)(Fonte: GettyImages)

Nos Estados Unidos, é considerado legal ter um peixe-leão como animal de estimação, embora soltá-lo na natureza seja um crime. Na maioria das lojas de animais espalhadas pelo país, o povo norte-americano pode encontrar uma grande variedade de tipos de peixe-leão disponíveis para compra.

Sendo predadores bastante agressivos, o peixe-leão não deve ser colocado em um tanque com peixes menores, caranguejos ou camarões, uma vez que promoveria uma verdadeira chacina.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.