(Fonte da imagem: Thinkstock)

Você alguma vez já inalou gás hélio — aquele que faz com que os balões fiquem flutuando no ar — só para ficar com a voz engraçada? Embora seja perigoso brincar com essa substância, você sabe como ela funciona?

De acordo com o site io9, a maioria das pessoas acredita que, devido ao fato do gás hélio ser um elemento mais leve do que o ar, as cordas vocais vibram mais depressa quando entram em contato com ele. Contudo, as nossas cordas vocais vibram com a mesma frequência, independente do tipo de gás que esteja passando por elas.

As cordas vocais e o som

Imagine uma caixa acústica. Ao reproduzir qualquer som, ela faz com este se propague pelo ambiente na forma de ondas de compressão, fazendo o ar vibrar em determinada frequência que, então, é interpretada pelos nossos ouvidos na forma de som. Assim, frequências mais baixas são percebidas como sons mais baixos ou graves, enquanto que um maior número de ondas de compressão fará com que os nossos ouvidos percebam sons mais estridentes.

Existem dois fatores que determinam o tom da voz de uma pessoa: a forma e o tamanho das cordas vocais e o formato da garganta, interferindo na maneira como o ar passa por essas estruturas e as faz vibrar. Porém, como o hélio é mais leve do que os outros gases que respiramos — nitrogênio, oxigênio e dióxido de carbono —, ele faz com que o som viaje mais depressa através das cordas vocais.

Brincadeira perigosa

E, quanto mais depressa o som viaje através das cordas vocais, mais frequências acabam ressoando na nossa garganta, fazendo com que a voz fique diferente e muito engraçada. Porém, apesar de ser indolor e hilário, brincar com esse elemento também pode ser bastante perigoso.

Ao inalar o gás hélio, você corta o fluxo de oxigênio que vai para o cérebro, o que pode levar à morte. Portanto, caso você realmente queira fazer graça para os seus amigos, basta uma única e curta inalação. Além disso, nunca, jamais, inale diretamente do cilindro. Imagine o que acontece quando você infla demais um balão. Agora, imagine a mesma coisa acontecendo com os seus pulmões!

Fontes: io9 e CCMR