Você conhece as técnicas dos egípcios para extrair os órgãos das múmias?
193
Compartilhamentos

Você conhece as técnicas dos egípcios para extrair os órgãos das múmias?

Último Vídeo

Apesar de já termos descoberto centenas de múmias em diferentes partes do mundo, o processo de mumificação ainda tem alguns mistérios a serem desvendados. Sabemos que alguns corpos tiveram órgãos – como o cérebro, os intestinos e os pulmões – extraídos e conseguimos inferir algumas informações sobre como os embalsamadores egípcios faziam isso a partir da análise dos corpos já encontrados.

Mas informações como quais eram os instrumentos utilizados, quais eram as técnicas mais recorrentes e como os egípcios treinavam para cuidar de seus falecidos são questões que ainda não tem respostas. Prova disso é a recém-descoberta que vimos aqui de que a causa da morte do faraó Tutancâmon teria sido um atropelamento e a carbonização espontânea de seu corpo teria sido causada por uma “mumificação fracassada”.

Em um trabalho que será publicado na edição de dezembro de 2013 do periódico Journal of Archaeological Science, o pesquisador Dr. Andrew Wade, da University of Western Ontario, investigou a fundo as técnicas de remoção de órgãos aplicadas pelos egípcios. Seu material de estudo foram scans e películas de 50 múmias egípcias. Antecipando o estudo a ser publicado, o pesquisador conversou por e-mail com o site Gizmodo e explicou mais detalhes sobre suas descobertas.

Os detalhes do processo

Dois dados que a ciência já havia revelado sobre a mumificação é que o cérebro costumava ser retirado pelo nariz e os órgãos também eram extraídos para prevenir o processo de decomposição, mas o estudo de Wade revelou novidades interessantes.

Segundo ele, existiam dois métodos principais tanto para a extração do cérebro quanto das vísceras. Sobre isso, ele explica:

“Primeiramente, o que vemos com frequência é a remoção do cérebro através da inserção de uma haste metálica em um buraco feito do nariz até a caixa craniana. Em segundo lugar, o que temos somente evidências não confirmadas é que o cérebro era removido através de uma incisão na parte de trás do pescoço, saindo por um buraco na base do crânio, no local de saída da medula espinhal”.

Além disso, o pesquisador revela que a ocorrência desses processos foi aumentando com o passar do tempo até um ponto em que a mumificação não era mais uma exclusividade da nobreza.

Fonte da imagem: Reprodução/Shutterstock

Desvendando mistérios

Durante muitos anos acreditou-se que a extração do cérebro era feita através do nariz com a ajuda de um gancho. O principal responsável por divulgar essa versão foi o historiador grego Heródoto, que descreveu o processo de mumificação no século 5 A.C.

No entanto, essa teoria foi parcialmente desconsiderada com a descoberta de instrumentos que foram deixados junto com duas múmias. Ambos eram compostos de matéria orgânica e acredita-se que tenham sido utilizados para liquidificar partes do cérebro e remover outras. De acordo com Wade, a maior parte dos pesquisadores acredita que os egípcios “passavam pelo osso com um gancho, usavam algum tipo de instrumento para misturar o cérebro e então o deixavam escorrer pelo nariz ou o expulsavam com água, vinho de palma ou outro líquido de efeito semelhante”.

A partir daí, Wade descobriu que, em alguns casos, o cérebro não era totalmente extraído e acabava embalsamado junto com o corpo, embora as evidências não sugiram uma recorrência.

Novas descobertas

Já sobre o processo de extração das vísceras, o Dr. Andrew Wade explica:

“Primeiramente, o mais conhecido é que os órgãos eram removidos através de um corte feito do lado esquerdo do abdômen. Em segundo lugar, o método menos frequente era a remoção através do ânus e da vagina ou de uma combinação dos dois. Por ser difícil de identificar a rota (as pernas eram amarradas juntas, então existem muitas dobras e acúmulo de resina ali), as consideramos extrações feitas pela região do períneo”.

Mais uma vez, a versão de Heródoto não corresponde às descobertas do pesquisador. O historiador descreve que era possível fazer uma rápida extração dos órgãos com a administração de óleo de cedro através do ânus, que fazia com que “o estômago inteiro e os intestinos ficassem em estado líquido”. Já o estudo de Wade não demonstra um uso extensivo do óleo de cedro. Em vez disso, ele notou uma diferença social nas técnicas empregadas – a retirada das vísceras através do períneo durante a mumificação era feita somente em mulheres nobres.

Os vasos canópicos eram utilizados para guardar os órgãos junto às múmias. Fonte da imagem: Reprodução/Shutterstock

Vida após a morte

O pesquisador também chama a atenção para o fato de que os egípcios se preocupavam em garantir uma boa vida após a morte. Dessa maneira, alguns órgãos retirados – como os rins, os pulmões, o estômago e os intestinos – e, depois de secos, eram armazenados em vasos canópicos que seriam guardados juntamente com o corpo.

Já o coração não era extraído, pois eles consideravam que o órgão era necessário para garantir o sucesso da pessoa na próxima vida. Mas o cientista notou que não era sempre que isso acontecia e explica:

“Sobre a remoção do coração, acredito que esse importante órgão era intencionalmente removidos das múmias comuns para garantir que as múmias nobres seriam favorecidas na vida após a morte. Os dados do meu estudo e de outras pesquisas sustentam uma preferência pela manutenção do órgão (que está relacionado à emoção e à inteligência) nos nobres e pela falta nas pessoas comuns... Então, a remoção do coração das pessoas comuns pode indicar que suas múmias simplesmente não teriam um coração, enquanto os nobres manteriam todas as suas faculdades e gozariam da vida após a morte assim como fizeram durante a vida”.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.