É possível permanecer vivo depois de a morte cerebral ser declarada?
242
Compartilhamentos

É possível permanecer vivo depois de a morte cerebral ser declarada?

Último Vídeo

Um caso que vem ganhando bastante repercussão nos EUA é o de uma garota de 13 anos que continua sendo mantida viva com a ajuda de aparelhos mesmo depois de os médicos terem declarado sua morte cerebral. A jovem sofreu uma complicação extremamente rara durante uma cirurgia de amígdalas e, apesar de a família ter lutado para manter os aparelhos ligados, uma decisão judicial determinou o desligamento das máquinas de suporte.

A situação gera questões interessantes, pois, apesar de alguém nessas condições não ser considerado legalmente vivo perante a lei norte-americana, como e por quanto tempo o organismo pode permanecer funcionando com e sem a ajuda da tecnologia?

De acordo com o site live science, uma pessoa tem a morte cerebral declarada quando os médicos, depois de realizar uma série de testes, não conseguem detectar qualquer atividade neurológica no cérebro ou no tronco cerebral, ou seja, a porção localizada entre o cérebro e a medula espinhal. Um dos testes envolve verificar se o paciente é capaz de iniciar a própria respiração sozinho, já que se trata de um reflexo primitivo comandado pelo tronco cerebral.

Na legalidade

Fonte da imagem: shutterstock

Tanto nos EUA quanto em muitos outros países, um indivíduo é declarado legalmente morto depois que se constata a perda de todas as funções circulatórias e respiratórias, assim como a de todas as atividades cerebrais. Contudo, muitas estruturas prosseguem em atividade, e o complexo sistema que mantém o coração em funcionamento pode manter órgão ativo durante algum tempo mesmo após a morte cerebral.

Entretanto, sem a ajuda de aparelhos para manter a circulação de sangue e oxigênio pelo organismo, o coração normalmente para de bater em menos de uma hora. Por outro lado, apenas com o suporte oferecido pelo respirador, determinados processos biológicos continuam por aproximadamente uma semana, como algumas funções gástricas e renais. Mas, apesar dessa atividade, isso não significa que a pessoa esteja — legalmente — viva.

Manutenção mecânica

Fonte da imagem: shutterstock

O organismo de um paciente que sofre morte cerebral normalmente é mantido vivo através de aparelhos — como os de respiração assistida, por exemplo — e da administração de medicamentos, além da reposição de fluidos e hormônios quando os órgãos serão doados para transplantes ou quando a família pede mais tempo. No entanto, esse período não costuma durar muito.

Segundo os especialistas, quando ocorre a morte cerebral, o organismo deixa de secretar importantes hormônios necessários para manter inúmeros processos por períodos mais longos. A pressão sanguínea também é importante para manter o organismo em funcionamento, e, nesta situação, ela não pode ser mantida sem o uso de medicamentos. Além disso, um indivíduo com morte cerebral não é capaz de manter sua própria temperatura corporal.

Tecnologia

Fonte da imagem: Reprodução/live science

Poucas pesquisas foram realizadas no sentido de determinar por quanto tempo o corpo de um indivíduo com morte cerebral pode ser mantido. Na década de 50, na França, apesar da falta de fluxo sanguíneo no cérebro, seis pacientes foram mantidos “vivos” durante períodos que variaram entre dois e 26 dias, em um experimento que despertou a questão de que, talvez, os médicos não devessem interferir e deixar a natureza seguir seu curso.

De qualquer maneira, em teoria, com todos os recursos e tecnologias disponíveis hoje em dia, pessoas com morte cerebral poderiam contar com todo esse suporte por longos períodos de tempo, até mesmo indefinidamente. No entanto, conforme apontam os especialistas, o corpo de um paciente assim vai se tornando progressivamente mais difícil de manter, com o risco de infecções nos tecidos aumentando com o passar do tempo.

Vale lembrar também que a morte cerebral é uma condição diferente do estado vegetativo, no qual os pacientes apresentam alguma atividade cerebral. Mas e você, leitor, o que acha dessa questão? Acredita que deveríamos dar mais tempo às pessoas é às famílias ou você acha que dessa forma o sofrimento de todos só estaria sendo prolongado? Não deixe de dar a sua opinião nos comentários!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.