Eterno bebê: homem de 30 anos tem doença rara e enigmática
379
Compartilhamentos

Eterno bebê: homem de 30 anos tem doença rara e enigmática

Último Vídeo

Wang Tianfang nasceu em 1987 em um vilarejo rural na região leste da China. Aos 30 anos, ele deveria estar preocupado com os filhos, a casa própria ou manter o emprego, mas uma condição rara e enigmática fez com que seu desenvolvimento se estagnasse quando ele tinha pouco menos de 3 anos de idade.

Com apenas 80 centímetros de altura, Tianfang não sabe falar e não consegue se alimentar sozinho. Sua estatura e seu intelecto são semelhantes aos de uma criança de 4 anos de idade. Por conta disso, Chu Xiaoping, sua mãe, de 52 anos, não pode desgrudar dele em quase nenhum momento, já que o rapaz não tem autonomia – ele inclusive necessita de fraldas.

O mais bizarro é que os médicos não conseguiram identificar o problema enfrentado por Tianfang. Chu conta que, por conta disso, vários vizinhos sugeriram que ela tivesse abandonado o filho nas escadarias de templos budistas quando os primeiros sinais apareceram, algo que ela foi veementemente contra.

Wang TianfangWang Tianfang consegue ficar em pé no máximo 30 minutos por dia

Chu, entretanto, tem um sonho: ouvir Tianfang falar “mamãe”. Ela sabe que isso não vai acontecer, mas ainda nutre um fio de esperança. O fardo de criar sozinha o filho é evidente, mas ela garante que faria tudo de novo. Durante uma ou duas horas por dia, ela deixa o rapaz aos cuidados de uma vizinha para poder trabalhar como doméstica e juntar dinheiro para a subsistência dos dois. Há alguns anos, ela deixava Tianfang sozinho, mas certa vez ele caiu e machucou a cabeça.

A mulher conta que seu maior medo é ver o filho morrer. Os médicos sempre alertam que é um milagre que o rapaz tenha sobrevivido tanto tempo com uma condição tão rara e limitadora, mas Chu tem esperança de que ele ainda vai viver muitos anos a mais!

Wang TianfangChu Xiaoping sonha que um dia seu filho consiga chamá-la

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.