Seja o primeiro a compartilhar

Madame de Monstespan: a amante de Luís XIV acusada de satanismo

A Marquesa de Montespan nasceu Françoise-Athénais de Rochechouart de Mortemart, em 5 de outubro de 1640, em Lussac-les-Châteaux, na França. Ela ficou conhecida como Madame de Montespan, a amante mais respeitada e célebre do rei Luiz XIV da França, com quem teve 7 filhos.

Sua influência e reconhecimento foram tão grandes que ela era chamada de "a verdadeira rainha da França" devido à influência que teve na corte durante o seu relacionamento com Luís XIV, tornando-se incomparável a qualquer amante que tivesse existido.

Bela, desejada e detentora do amor do rei, a marquesa possuía tudo que uma mulher pudesse almejar na França do século XVII. No entanto, ela queria mais, especificamente o assento no trono de Maria Teresa da Áustria, ao lado de seu amante.

Com os séculos de boatos, especula-se que ela fez de tudo para tentar conseguir o que queria, inclusive apelando às forças malignas.

A bruxa

(Fonte: Pinterest/Reprodução)(Fonte: Pinterest/Reprodução)

A carreira de Catherine Monvoisin, mais conhecida como "Bruxa de Paris", foi por água a baixo depois que o Palácio de Versalhes entrou em alvoroço quando dezenas de membros da corte de Luís XIV começaram a morrer inexplicavelmente e, depois de desenterrados, apresentarem intestinos enegrecidos – o que indicava envenenamento.

Por uma taxa polpuda, Lavoisin lucrou secretamente com ódios e amores não correspondidos ao formular poções de amor e venenos para todos os tipos de pessoas pela cidade. Além disso, ela também retirou de maneira rudimentar os fetos de dentro de mulheres que não queriam ter filhos.

(Fonte: Toda Matéria/Reprodução)(Fonte: Toda Matéria/Reprodução)

Portanto, quando Luís XIV foi forçado a instaurar uma investigação, a Bruxa de Paris foi levada ao tribunal, em 1679, entre as 319 intimações emitidas, das quais 194 indivíduos foram presos e 36 executados, em uma comissão tão notória quanto a de Salem. 

As autoridades reviraram a casa da mulher e encontraram ossos infantis em seu jardim, fruto de um ritual de magia negra. Adam Coueret, assistente da bruxa e conhecido como Lesage, disse que os ossos pertenciam a um feitiço encomendado pela Marquesa de Montespan, apesar das negativas da feiticeira. Segundo o homem, ela teria recorrido à Lavoisin para matar uma rival dela pelo amor do rei.

A decadência

(Fonte: Plume d'Histoire/Reprodução)(Fonte: Plume d'Histoire/Reprodução)

Depois que a bruxa foi queimada em praça pública, em 20 de fevereiro de 1680, sua filha, Marguerite Monvoisin, testemunhou que a marquesa se ofereceu ao Diabo nua em um altar, bebeu o sangue de crianças e até teria colocado restos mortais de um bebê assassinado na comida do rei para enfeitiçá-lo.

Luís XIV, por sua vez, decidiu acreditar na inocência de sua amante, ou talvez tenha optado por preservar ela e seus filhos da humilhação, por isso não a processou pelas acusações. No entanto, isso não impediu que a marquesa fosse rechaçada, perdendo sua posição na corte e entrando até para um convento.

Ela morreu em 1707, aos 67 anos, em decadência e reclusão, com seu legado como satanista pesando em meio ao seu reinado apoteótico no Palácio de Versallhes.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER