A magia dos objetos silenciosos no mundo do cinema

No mundo dos filmes e das séries nem tudo é o que realmente parece. Além do uso do CGI, que permite a criação de cenários completamente surreais, os diretores às vezes precisam utilizar alguns truques para conseguirem atingir os resultados que almejam em uma determinada cena.

Um grande exemplo disso ocorre durante o processo de captação de som. Você já parou para pensar por que copos com gelo são menos barulhentos na televisão do que no mundo real? Tudo isso é fruto de um longo trabalho de bastidores feito especialmente para que determinados objetos se tornem silenciosos.

Silenciando objetos

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Quando a equipe de captação de áudio entra para trabalhar em um estúdio, existe uma forte necessidade de que tudo esteja relativamente silencioso para que os diálogos dos personagens sejam gravados com clareza. O problema, entretanto, é que certos objetos usados em nosso dia a dia produzem sons estridentes demais ou incômodos e que atrapalham a fluidez desse processo.

Por esse motivo, diversos estúdios contam com equipes especializadas na criação de objetos de mentira — também chamados de aderecistas. Mesmo que essa profissão seja uma das menos glamourizadas no mundo do cinema, essas pessoas são responsáveis diretas pelo funcionamento das cenas.

Se não bastasse o vidro fazer bastante barulho enquanto quebra, existe um grau de perigo de alguém se cortar caso usem uma versão de verdade. Então, um claro exemplo do trabalho dos aderecistas é a confecção do chamado "vidro de açúcar", uma forma quebradiça e transparente do açúcar que se assemelha muito ao vidro e pode ser moldado em diversas formas.

Abuso da criatividade

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Mas se você acha que o vidro falso é o único caso de objeto falso existente no mundo do cinema, saiba que você está muito enganado. Nos bastidores das gravações, existem diversos objetos que produzem mais barulho do que o desejado pelos produtores e, então, precisam de alguma forma serem substituídos rapidamente.

Você consegue imaginar outros exemplos? Nós vamos te ajudar. As cenas realizadas dentro de bares são um prato cheio para os aderecistas trabalharem, portanto exigem diversas modificações. Esse é o caso dos drinks com gelo. Em geral, as pedras de gelo se movendo pelo copo atrapalham o diálogo dos personagens e podem ser trocadas por duas versões: plástico ou silicone.

Por não derreterem, essas versões do "gelo" permitem que os diretores gravem as cenas por períodos maiores sem perderem continuidade. Embora o gelo de plástico cumpra um papel importante, ele é relativamente mais pesado do que o gelo de silicone e produz um quantidade considerável a mais de som — fazendo que o segundo seja o favorito dos aderecistas.

Realidade modificada

(Fonte: Warner Bros./Divulgação)(Fonte: Warner Bros./Divulgação)

Quando o assunto é silenciar um objeto, nem sempre os aderecistas precisam criar algo do zero para fazer que ele produza menos barulho. Em algumas situações, um objeto pode ser levemente modificado para que permaneça estático ou perca parte das suas propriedades que emitem muito som.

Isso pode ser visto em cenas em que os personagens precisam usar um saco de papel na cabeça e falar ao mesmo tempo, como ocorre no filme Tammy (2019), protagonizado por Melissa McCarthy. Para que essa cena funcionasse, o aderecista Tim Schultz teve que pensar em como deixar a sacola mais pesada.

Então, Schultz borrifou os sacos com uma mistura de água e glicerina, que normalmente é usada para adicionar a aparência de suor ou gotículas de água em qualquer coisa, desde pele humana até garrafas de cerveja. Se não fosse por essa função, os espectadores provavelmente se sentiriam muito incomodados na hora de assistir a uma obra de entretenimento. 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.