Audrey Munson: a modelo que inspirou várias estátuas nos EUA

Desde o início do século XX, a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, ostenta inúmeras estátuas femininas em suas ruas e seus cartões-postais, exibindo imagens de uma mulher que se destaca pelo realismo e pela beleza contrastante com o cenário urbano. O que poucos sabem, porém, é que as esculturas são inspiradas na atriz Audrey Munson, a primeira supermodelo norte-americana, que teve sua carreira cercada por polêmicas pessoais e esquecimento.

(Fonte: Regan Arts / Reprodução) (Fonte: Regan Arts/Reprodução)

Nascida em 8 de junho de 1891 em Rochester, Nova York, Munson trabalhava em teatros desde os 17 anos, quando participou de sua primeira peça oficial da Broadway, intitulada The Boy and The Girl. Após ser escalada para uma série de outras produções, tida como uma artista promissora, Munson foi apresentada para as indústrias da fotografia  e modelagem e logo passou a ser vista como símbolo artístico de vários profissionais renomados, como Isidore Konti (1862-1938), Francis Coates Jones (1857-1932), Harrison Fisher (1877-1934) e Arnold Genthe (1869-1942).

"Para sorte dela, Audrey era muito bonita, escultural, tinha 1,77 metro de altura, alta para uma mulher da época. Tinha traços quase clássicos, com um nariz longo e reto", contou o jornalista James Bone, autor da biografia A maldição da beleza: a vida escandalosa e trágica de Audrey Munson, primeira supermodelo dos Estados Unidos, em entrevista à BBC. "Os prédios precisavam de deusas, figuras alegóricas de mulheres.".

Com o surgimento de novos projetos e as imagens de Munson estampando ainda mais os tabloides da época, a modelo foi considerada o exemplar ideal para renovar a cidade de Nova York. Assim, ela ficou conhecida como a "Vênus Americana", por sua semelhança com a estátua grega de Vênus de Milo, e "Miss Manhattan", tornando-se uma das modelos mais procuradas da cidade ao exalar talento dramático e sensibilidade de atriz.

A musa do cinema mudo

Na tentativa de renovar suas produções, Hollywood decidiu testar a participação de Munson em filmes mudos, colocando-a para interpretar personagens com vidas semelhantes à sua. Assim, a musa era utilizada na maioria das obras como modelo para escultores ou pintores que tinham papéis principais nos longas-metragens, explorando cenas de nudez que polemizaram através da "linha tênue da arte", segundo o escritor Justin White. "Posar nua para um artista em privacidade era uma coisa, mas trazê-lo para as massas foi uma atitude corajosa, talvez até ousada, de sua parte", disse White.

(Fonte: IMDB / Reprodução)(Fonte: IMDB/Reprodução)

Após aparecer em quatro filmes mudos entre 1915 e 1921, Munson começou a sofrer as primeiras influências negativas do show business e viu isso impactar diretamente seu comportamento em frente às câmeras e fora delas. Os relatos pessoais foram publicados pela revista The New York American, nos quais a jovem atriz evidenciou discrepâncias salariais entre homens e mulheres, sexismo, limitação de papéis e objetificação de seu corpo. Em 1922, sua crise culminou na tentativa de suicídio através da ingestão de veneno.

O fim do sucesso precoce

Após polêmicas que a vinculavam ao assassinato da esposa de seu ex-amante e a conflitos contra poderosos nomes da indústria acusados de abuso sexual, Munson desenvolveu inúmeros problemas psicológicos e acabou internada, aos 40 anos, no St. Lawrence State Hospital, em Ogdensburg, Nova York. A "Miss Manhattan" foi dada como morta aos 104 anos, sendo enterrada em um local onde nem cabia uma lápide.

(Fonte: Photofest / Reprodução)(Fonte: Photofest/Reprodução)

"Ela não só defendeu seus próprios direitos, mas também se tornou uma ativista e organizadora de luta pelo reconhecimento de outras mulheres", explica a artista Andrea Geyer, estudiosa da vida de Munson. "Por essa e muitas outras conquistas, ela merece ser lembrada pelo nome.".

Hoje, a ex-modelo norte-americana é inspiração para mais de 30 estátuas espalhadas pelos Estados Unidos, inclusive em localidades como o Metropolitan Museum of Art e a Casa Branca.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.