Por que tantas estátuas gregas, romanas e egípcias não têm nariz?

27/05/2024 às 20:002 min de leituraAtualizado em 04/06/2024 às 17:05

Quem é fã ou estudioso de arte clássica sabe que nada se compara às estátuas egípcias, gregas e romanas na cultura ocidental. Elas não só fundaram um novo tipo de técnica artística, mas também reapresentaram uma nova forma de compreender e exaltar a beleza do corpo humano. Muitos desses padrões prevalecem até hoje.

No entanto, quando finalmente conseguimos visitar alguns lugares onde esses pilares da arte estão expostos, um detalhe logo nos chama a atenção: onde foram parar os narizes de todas essas figuras maravilhosas?

A princípio, podemos pensar que se trata apenas da ação deletéria do tempo, afinal a maioria dessas obras tem milhares de anos, e é natural terem se desgastado por erosão, quebra no transporte ou até pela ação voluntária de algum vândalo maluco — ou visigodo — nervosinho. Mas há algumas teorias filosóficas, teológicas e políticas nas quais talvez valha a pena metermos o nariz.

O que aconteceu com os narizes das estátuas?

A cruz esculpida na testa de Afrodite pode dar pistas de quem quebrou o nariz.
A cruz esculpida na testa de Afrodite pode dar pistas de quem quebrou o nariz. (Fonte: National Gallery of Art)

“As partes salientes das esculturas, como narizes, braços, cabeças e outros apêndices, são quase sempre as primeiras a se quebrarem”, explica o pesquisador Spencer McDaniel, da Universidade Brandeis, nos EUA, à plataforma IFLScience. Nesse caso, quando uma estátua cai de frente no chão, o primeiro impacto é realmente no nariz.

Já o professor de clássicos da Universidade de Nottingham, Mark Bradley, pensa diferente. Em um artigo de 2016, para o blog Effaced From History, que aborda as diferenças faciais desde a antiguidade, ele afirma: “Um número esmagador [de narizes] foi deliberadamente alvo de ataques”.

Para ilustrar sua tese, Bradley cita o busto de um sobrinho do imperador Tibério, que teve o nariz claramente cinzelado, e uma cruz esculpida na testa pelos primeiros cristãos, por ser um retrato pagão, diz o professor. O mesmo destino iconoclasta foi aplicado a uma estátua de Afrodite, do Museu Arqueológico Nacional de Atenas: sem nariz e com uma cruz na testa.

Quem quebrou todos esses narizes?

x
Grande parte das desfigurações de estátua foi proposital. (Fonte: Getty Images)

Alguns especialistas acreditam que, no caso dos egípcios, a razão para a mutilação de estátuas pode ter sido mística. Como os adoradores acreditavam que essas imagens tinham uma “força vital” própria, seus inimigos imaginavam que, destruindo a estátua, desativariam esse poder.

No caso das civilizações mais recentes, inclusive no Império Bizantino, a mutilação e a remoção do nariz era uma punição bastante comum aplicada a infratores e governantes depostos na vida real, explica Bradley.

Quando nos escandalizamos com todos esses comportamentos bizarros, é bom lembrar que, nos dias de hoje, muito dessa iconoclastia revanchista permanece. Em dezembro de 2013, por exemplo, manifestantes ucranianos que defendiam uma maior integração do país com a União Europeia, derrubaram de propósito uma estátua de Lenin, em Kiev. Mas, neste caso, o nariz de Vladimir ficou intacto.

Fonte

    NOSSOS SITES

    • TecMundo
    • TecMundo
    • TecMundo
    • TecMundo
    • Logo Mega Curioso
    • Logo Baixaki
    • Logo Click Jogos
    • Logo TecMundo

    Pesquisas anteriores: