Nova espécie de réptil que conviveu com dinossauros é encontrada

Nova espécie de réptil que conviveu com dinossauros é encontrada

Último Vídeo

O mundo no período dos dinossauros ainda é um mistério em muitos aspectos, principalmente com relação aos tipos de animais que viviam na Terra nesse período. Entretanto, pesquisadores da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Virginia Tech e Museu de La Plata encontraram uma nova espécie que pode ter composto a fauna da Era Mesozoica.

O animal seria um tipo de réptil que foi batizado de Dynamosuchus collisensis, do grupo dos ornitossuquídeos (Ornithosuchidae). Acredita-se que ele seria um parente distante dos crocodilos e teria vivido há cerca de 230 milhões de anos.

O primeiro achado dessa nova espécie no Brasil aconteceu no município de Agudo, no Rio Grande do Sul, pelo paleontólogo Rodrigo Temp Müller, em 2019. Ao todo, quatro animais desse grupo já foram encontrados e descritos em todo o mundo.

Osteodermo da espécie encontrada no Brasil (UFM/ Divulgação)

Como são os ornitossuquídeos?

Esses animais são caracterizados por possuírem dentes muitos grandes, além de um focinho avantajado, projetado à frente das mandíbulas inferiores. Após pesquisas, o fóssil encontrado no Brasil apresentava dentes serrilhados, evidenciando que a espécie poderia ser carnívora.

Entretanto, por conta do formato da sua cabeça, ele também poderia ser um necrófago, ou seja, se alimentava dos restos mortais de outros animais. Uma outra característica dos ornitossuquídeos é que eles não tinham um hábito de vida semiaquático, vivendo apenas na terra. Eles também eram quadrúpedes, mas conseguiam se locomover utilizando apenas as duas patas posteriores.

A descoberta do novo fóssil vai ajudar a entender como era formada a cadeia alimentar do Período Triássico, bem como o processo de imigração que o ornitossuquídeos fizeram na América Latina, já que pesquisas mostraram que ocorreram diversas migrações entre o Brasil e a Argentina.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.