Cientistas encontram raro fóssil de réptil preservado em âmbar

Cientistas encontram raro fóssil de réptil preservado em âmbar

Último Vídeo

Geocientistas da Universidade de Bonn, na Alemanha, encontraram um fóssil raro de um lagarto do gênero Anolis, datado de 15 a 20 milhões de anos. Preservado em âmbar, é uma pequena pata dianteira com detalhes bastante visíveis por meio de microscópio, caracterizando um importante achado e um grande passo para um melhor entendimento sobre os processos de fossilização. A publicação da descoberta foi realizada no site PLOS ONE

Segundo a equipe de pesquisadores, o fóssil, encontrado em região da República Dominicana, encontra-se em bom estado de conservação, apesar de boa parte dos ossos estarem decompostos e com as propriedades químicas modificadas —  possivelmente por conta da ação de intempéries e de micro-organismos. Ele estava em um envoltório de âmbar, resina de árvore que endurece com o tempo e um dos melhores conservantes naturais de espécies fósseis.

A descoberta ganha aspectos de raridade quando, historicamente, percebe-se que o âmbar presente engloba, em sua quase totalidade, animais invertebrados, como insetos, sendo poucos (ou quase inexistentes) os casos nos quais a substância armazena uma espécie de animal invertebrado como o lagarto Anolis — que teve sua pata preservada em um pedaço de apenas 2 centímetros cúbicos de tamanho. "As inclusões de vertebrados em âmbar são muito raras, a maioria são fósseis de insetos", diz Jonas Barthel, um dos cientistas e autores do estudo. 

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Arqueologia/noticia/2020/02/fossil-raro-de-lagarto-em-ambar-ajuda-entender-fossilizacao.html
(Fonte: Jonas Barthel / Universität Bonn)

Análises de microtomografia realizadas na pata do lagarto apresentaram resultados interessantes sobre sua história, pois estava quebrada em 2 locais e acompanhada de inchaço em uma das lesões, sugerindo que o animal foi atacado por algum predador natural. Além disso, foi observado que, apesar de o fóssil apresentar cerca de 20 milhões de anos, a visibilidade de seu membro indica que a resina pode ter pingado sobre o animal recentemente. 

Mesmo aparentemente  bem preservado, o âmbar não suportou a estrutura do animal, podendo ter, em certas escalas, acelerado o processo de degradação do fóssil, tornando indetectável o reconhecimento de moléculas como proteínas. "Isso é surpreendente, porque assumíamos que o âmbar protegia bem o fóssil de influências do ambiente", disse Jonas Barthel.

Atualmente, "as análises finais ainda estão pendentes", segundo autor do estudo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.