Butantan trabalha na produção de anticorpos para enfrentar coronavírus

Um grupo de cientistas do Instituto Butantan, em São Paulo (SP), está propondo uma alternativa para o tratamento do coronavírus com base na identificação de células de defesa de pacientes que foram curados da covid-19. A ideia é criar um composto de anticorpos monoclonais neutralizantes (mAbs), que se encontram no sangue de pacientes recuperados, e neutralizar o vírus a partir das suas proteínas.

O estudo, coordenado pela pesquisadora Ana Maria Moro, é fundamentado em um método já testado no início da última década e que buscava obter anticorpos para o tratamento de zika e tétano. O novo composto molecular deverá unir um grupo de anticorpos em uma única molécula proteica, que poderá ser produzida em escala contínua e testada em um número maior de voluntários.

"Temos que identificar os linfócitos B [células de defesa] que produzem anticorpos contra o coronavírus. E, entre esses, identificar aqueles que produzem anticorpos que são de fato capazes de neutralizar a ação do vírus e são capazes de bloquear a entrada do vírus na célula, que são os que a gente chama de anticorpos neutralizantes, aqueles que de fato neutralizam o vírus", esclareceu Moro em entrevista à Agência Fapesp.

(Fonte: Agência Brasil/Reprodução)(Fonte: Agência Brasil/Reprodução)

Tratamento promissor

Segundo informações do governo do Estado de São Paulo, mais de 70 remédios à base de anticorpos são utilizados em larga escala no planeta. O novo composto do Instituto Butantan, que deverá seguir os princípios da transfusão sanguínea, forma de tratamento imediata, poderá levar cerca de 1 ano para estar pronto, já que a busca por voluntários adequados e a identificação de tais anticorpos monoclonais são processos "demorados" e feitos em laboratório, mas que se provam promissores.

O plasma que corre na corrente sanguínea de pessoas curadas, segundo princípios biológicos, será essencial para multiplicar as proteínas neutralizantes do vírus, que poderão ser passadas diretamente para a corrente sanguínea do paciente. "Os anticorpos monoclonais são produzidos de forma precisa, de forma homogênea, todas as pessoas vão receber aquele mesmo produto, que é 100% puro [para combater especificamente o coronavírus]", disse a pesquisadora.

Atualmente, pouco se sabe sobre os anticorpos que combatem o vírus ou sobre a dosagem plasmática de pacientes recuperados. Os primeiros resultados deverão surgir em breve, com o recrutamento de voluntários para a identificação genética.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.