Seja o primeiro a compartilhar

Tecido capaz de eliminar o novo coronavírus é desenvolvido no Brasil

A busca por soluções no combate ao novo coronavírus, causador da covid-19, é uma das principais ações na maioria dos centros de pesquisa. Universidades, cientistas e pesquisadores ao redor do mundo estão buscando formas de vencer o Sars-CoV-2 e proteger a população. Enquanto uma vacina ou um remédio ainda não foram confirmados pelas organizações, uma empresa paulista encontrou mais uma forma de combater a contaminação. 

A Nanox desenvolveu, com a ajuda do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas, uma espécie de tecido que elimina o novo vírus.  A informação foi divulgada pela Agência FAPESP e é uma notícia extremamente positiva. 

O tecido que elimina o Sars-CoV-2

A ideia da Nanox nasceu de trabalhos anteriores, já que a empresa desenvolveu um tipo de tecido com capacidades antibacterianas e fungicidas. No passado, esse material já havia apresentado efetividade contra alguns vírus e a possibilidade de funcionar contra o novo coronavírus motivou os pesquisadores.

O tecido é composto pela mistura de poliéster, algodão (polycotton) e uns componentes especiais, dois tipos de micropartículas de prata adiconadas por meio de pad-dry-cure. O material criado consegue, após 2 minutos, eliminar 99,9% da quantidade do vírus. 

(Fonte: Pexels)(Fonte: Pexels)

Como foi criado o tecido

Os testes para desenvolver e confiar no material foram feitos de formas isoladas, ou seja, o resultado de um teste não iria interferir o do outro. Assim, experimentos foram feitos duas vezes, em dias diferentes e com pesquisadores diferentes.

Os tecidos foram mantidos em exposição ao vírus em duas medidas de tempo: 2 e 5 minutos. Após os testes, ficou comprovada a eficácia do tecido a partir do segundo minuto de exposição, com uma eliminação de 99,9% da quantidade de Sars-CoV-2. O material também passou tranquilamente por testes de alergia, fotoirritabilidade e fotossensibilidade, que buscam previnir problemas dermatológicos. 

Em entrevista a Agência FAPESP, o pesquisador Lucio Freitas Junior afirmou que o resultado é muito positivo, já que os tecidos foram expostos a uma fração de vírus muito acima do normal. 

Quem fez parte do desenvolvimento

O trabalho que criou o tecido contou com pesquisadores de vários centros. Além da Nanox e o apoio da FAPESP, participaram pesquisadores brasileiros do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), que havia conseguido isolar e cultivar o Sars-CoV-2 já no início da pandemia, e do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF). Diretamente da Espanha, estudiosos da Universitat Jaume I também fizeram parte dos trabalhos. 

(Fonte: Pexels)(Fonte: Pexels)

O intuito do trabalho é, inicialmente, produzir máscaras de proteção e roupas hospitalares para médicos, enfermeiros e pessoas em geral que estão na linha de frente contra a covid-19. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER