Cinzas de estrelas podem desvendar origem do carbono na Via Láctea

Cinzas de estrelas podem desvendar origem do carbono na Via Láctea

Último Vídeo

As cinzas de estrelas no estágio final de suas vidas podem conter a resposta-chave para compreender a origem da vida na Via Láctea, diz um novo estudo publicado na revista Nature Astronomy. 

No artigo, pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, relatam que a poeira cósmica produzida por estrelas que estão morrendo foram trazidos até a nossa galáxia através dos chamados "ventos estelares" e continham material repleto de elementos químicos — inclusive o carbono.

Dessa forma, essa carga química alimentaria as estrelas da Via Láctea, que posteriormente a matéria bruta necessária para o surgimento do nosso Sol e de todo o sistema planetário formado há 4,6 bilhões de anos.

Teorias sobre as estrelas anãs

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Apesar do consenso dentro da comunidade científica sobre a importância do carbono no surgimento de vida na Terra, ainda não existiam explicações sobre como esse elemento havia chegado até a nossa galáxia.

Ao analisar dados do Observatório Keck, no Havaí, sobre anãs brancas na Via láctea entre Agosto e Setembro de 2018, os pesquisadores relataram uma descoberta impressionante sobre as estrelas: suas massas de nascimento eram muito maiores do que estudos anteriores tinham registrado.

Uma anã branca é uma estrela com massa similar ao Sol e volume parecido com a Terra. Ao atingir a "supernova", — explosão causada no estágio final de uma estrela — o astro é responsável por espalhar uma grande quantidade de matéria cósmica pelo universo. Quanto maior a sua massa, maior a proporção de matéria espalhada.

Os astrofísicos que a massa final das anãs brancas analisadas chegava perto de 75% da massa solar — bem mais do que os 60% acreditados anteriormente. De acordo com o estudo, as estrelas anãs deveriam ter cerca de 150% da massa solar para produzir a quantidade de carbono que alimentou a Via Láctea em sua origem. 

A contribuição das cinzas estelares para a formação de luz no universo

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Além das descobertas sobre a origem do carbono, as cinzas produzidas pela morte das estrelas também auxiliou cientistas a se aprofundarem mais sobre outro assunto: a emissão de luz por galáxias distantes no universo.

Combinando teorias da cosmologia e da evolução estelar, os pesquisadores obtiveram novas interpretações sobre como essa poeira cósmica contribui para a origem de luz em cantos mais afastados do universo.

Essa iluminação química é o que permite aos telescópios conseguirem enxergar partes distantes do cosmos e comprovar as teorias de evolução das estruturas cósmicas existentes na comunidade científica. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.