Exploração do óleo de coco está prejudicando espécies ameaçadas

Exploração do óleo de coco está prejudicando espécies ameaçadas

Último Vídeo

Um novo estudo publicado nesta semana na revista Current Biology aponta um fato assustador sobre o óleo de coco, ou manteiga de coco. Amplamente extraído de florestas tropicais, sua exploração pode estar comprometendo a perpetuação de animais ameaçados de extinção, causando severos impactos ambientais especialmente se comparada com a obtenção natural de outros tipos de óleos vegetais. 

Patrocinado pela Universidade de Exeter, na Inglaterra, a pesquisa mostra que a cada milhão de toneladas de azeite de coco que estão sendo produzidos, cerca de 20 espécies raras de plantas e animais estão sendo afetadas negativamente. Segundo os cientistas, o principal motivo para os índices assustadores é que grande parte das espécies ameaçadas vive nas mesmas florestas tropicais onde o coco é explorado, contendo uma taxa alta de diversidade animal e colocando em risco, também, outros espécimes de famílias menos incomuns.

(Fonte: Mongabay/Reprodução)(Fonte: Mongabay/Reprodução)

"O resultado do nosso estudo foi uma surpresa", disse o líder da pesquisa, Erik Meijaard, do Borneo Futures em Brunei Darussalam. “Muitos consumidores ocidentais pensam nos produtos de coco como saudáveis e sua produção relativamente inofensiva para o meio ambiente. Acontece que precisamos pensar novamente sobre os impactos do coco".

A importância do "consumo consciente"

Segundo os pesquisadores, o conhecimento e a necessidade da disponibilidade de informações relevantes sobre os cuidados com a natureza e sobre o impacto do consumo de alguns alimentos vegetais surgem como fatores determinantes para evitar os impactos naturais negativos, defendendo a transparência no tocante ao compartilhamento de dados importantes.

(Fonte: The Conversation/Reprodução)(Fonte: The Conversation/Reprodução)

“Os consumidores, especialmente aqueles que se esforçam para ser mais responsáveis em seu consumo, dependem muito de informações que eles recebem da mídia, geralmente fornecida por pessoas com interesses próprios", comenta o Dr. Jesse F. Abrams, um dos coautores do estudo. "Ao tomar decisões sobre o que compramos, precisamos estar cientes de nossos preconceitos culturais e examinar o problema de uma lente que não é apenas baseada nas perspectivas ocidentais para evitar perigosos padrões duplos."

Relacionado à extinção do pássaro olho-branco-de-Seychelles (Zosterops mayottensis semiflava) e do morcego Ontong Java (Pteropus howensis), dados comparativos evidenciam os riscos da extração do vegetal, sendo mais elevados do que em casos de exploração de culturas produtoras de petróleo como a palma, que prejudica uma média de 3,8 espécies por milhão de tonelada, a oliva, com 4,1 por milhão, e a soja, com 1,3 espécie por milhão.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.