Por que os sapos têm olhos tão grandes em relação ao corpo?

Por que os sapos têm olhos tão grandes em relação ao corpo?

Último Vídeo

Um artigo publicado no periódico Proceedings of the Royal Society B na última segunda-feira (23) esclarece porque sapos e rãs têm olhos tão grandes quando comparados com o tamanho do corpo. Conduzido por uma equipe do Museu de História Natural de Londres, o estudo envolveu 220 espécimes de anuros representando todas as 55 famílias atualmente conhecidas.

Sapos, rãs e pererecas (anfíbios da ordem Anura) existem em todas as formas e tamanhos imagináveis, mas alguns grupos compartilham características exageradas, como a potência do veneno por exemplo. As pererecas apresentam olhos mais proeminentes quando comparados ao resto do corpo, enquanto as rãs das cavernas possuem olhos minúsculos, e o objetivo da pesquisa é explicar por que isto acontece.

Fonte: Pexels
Fonte: Pexels

A pesquisa

Os pesquisadores mediram o comprimento do corpo dos anuros, o tamanho da córnea e a circunferência total dos olhos para comparar como as proporções mudam entre as espécies. Os resultados mostraram que, entre os anuros de olhos grandes e pequenos, habitats compartilhados era um tema recorrente.

A pesquisa trabalha com a hipótese de consumo energético. A líder da pesquisa, Kate Thomas, explica que usar os olhos é “caro” do ponto de vista energético. Dessa forma, o estudo propõe que os anuros se adaptaram para gastar com os olhos grandes apenas o que for estritamente necessário. Thomas dá como exemplo as pererecas, que são as mais “gastadoras”.

As conclusões

Fonte: Pixabay
Fonte: Pixabay

A pesquisadora esclareceu à revista New Scientist que: “As pererecas arborícolas têm os olhos maiores e precisam escalar, pular e tomar decisões rápidas durante o salto. Não que elas vejam melhor do que nós, mas, em comparação conosco, elas estão investindo muito mais de seu orçamento total de energia em visão”.

Para se entender esse “investimento”, é preciso levar em conta que esses anfíbios têm que estar o tempo todo atentos à configuração do terreno em que vivem para evitar a predação. Além disso, precisam encontrar comida, abrigo e outros parceiros, o que acaba sendo uma tarefa bem difícil numa floresta quando você é verde.

Abrir mão de um investimento ocular mais generoso para viver em ambientes fossoriais, subfossoriais e aquáticos faz todo o sentido. O que ainda precisa ser explicado é quais sentidos as pererecas têm que poupar para se permitir um orçamento óptico tão espalhafatoso.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.