386
Compartilhamentos

Ameba 'comedora de cérebro' se expande para o norte dos EUA

Um novo estudo, feito por cientistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e publicado na última quarta-feira (16) na revista científica Emerging Infectious Diseases, fez um levantamento geográfico dos locais com água contaminada pela Naegleria fowleri, a ameba “comedora de cérebros”, nos EUA.  

Analisados os casos registrados de 1978 a 2018 e relacionados a exposição recreativa à água, como nadar em lagos, lagoas, rios ou reservatórios, foram detectados 85 casos de N. fowleri, 74 deles apenas em estados do sul. Porém, verificou-se uma dispersão geográfica em direção ao norte, com uma evolução na latitude dos casos de cerca de 13,3 quilômetros por ano.

Fonte: CDC/Divulgação
Locais de exposições recreativas à água relacionadas à PAM, EUA, 1978-2018 (Fonte: CDC/Divulgação)

Por fim, os pesquisadores fizeram uma análise dos dados meteorológicos próximos às datas de ocorrências de mortes por N. fowleri, e concluíram que as temperaturas diárias nas duas semanas que antecederam cada caso eram maiores que as médias históricas desses locais.  

Quem é a ameba comedora de cérebros?

Segundo o estudo do CDC, a N. fowleri é um organismo unicelular encontrado naturalmente em água doce de lagos ou rios, que pode infectar o cérebro humano, subindo pelo nariz. A infecção, conhecida como meningoencefalite amebiana primária (PAM na sigla em inglês), destrói o tecido cerebral do portador, e pode levar à morte.

Fonte: Visvesvara/CDC/Divulgaão
Fonte: Visvesvara/CDC/Divulgaão

Os cientistas acreditam que, como a N. fowleri se desenvolve em águas quentes, até 45º C, é possível que o aquecimento global, que coincide com um aumento no uso recreativo da água, como natação e esportes aquáticos, possa contribuir para uma alteração no perfil epidemiológico da PAM.

Saber quando e onde os casos de PAM ocorreram no país pode ajudar a prever as épocas mais perigosas para visitar piscinas naturais, conforme os autores. Contudo, por não haver testes rápidos para a N. fowleri na água, a única maneira de prevenir a infecção é evitar nadar em água doce quente, ou, se o fizer, jamais permitir que o líquido entre pelo nariz.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.