A temperatura do corpo pode determinar o gênero de um bebê?

Em muitas espécies de animais, temperaturas mais altas ou baixas podem influenciar o gênero dos filhotes. Porém, nos humanos, os responsáveis por isso são os cromossomos X e Y. Mas já imaginou como seria se nosso corpo agisse de forma semelhante aos dos peixes e répteis?

Um estudo conduzido pela zoologista Madeline Charnier, da Universidade de Dakar e publicado em 1966, descobriu ser possível influenciar o gênero de uma espécie de lagarto ao mudar a temperatura de incubação dos ovos. Em temperaturas mais baixas, os lagartos eram fêmeas, e em mais altas, eram machos. 

(Fonte: Pixabay)
(Fonte: Pixabay/Reprodução)

Desde então, os cientistas encontraram outros padrões na determinação do gênero em espécies de animais. No caso de tartarugas marinhas do Havaí, as fêmeas nascem em temperaturas mais altas, e os machos, em mais baixas.

Segundo os especialistas, essa habilidade de influenciar o gênero pode estar relacionada com o controle do número de fêmeas. Ou seja, o clima poderia afetar o tamanho de uma determinada espécie. Por exemplo, espécies de crocodilo poderiam procriar durante as épocas mais frias do ano para gerarem mais fêmeas, o que evitaria um declínio populacional por falta de reprodução.

Como isso funcionaria com seres humanos?

No nosso caso, é claro que a temperatura não muda em nada. Afinal, todos os estudos conduzidos e provados foram feitos com criaturas ovovíparas e exotérmicas, ou seja, que colocam ovos e precisam de fontes externas para regular o calor de seus corpos.

O fato dos seres humanos manterem uma temperatura corporal estável torna improvável escolher o sexo do bebê simplesmente indo para lugares mais quentes ou mais frios. 

Porém, a existência da proteína CLK, responsável por regular o ritmo cardíaco tanto nas pessoas quanto nos répteis, além de auxiliar na variação de temperatura faz com que alguns cientistas teorizem que talvez seja possível sim determinar o sexo de uma criança através de variações térmicas. Mas vale lembrar que, no momento, isso é apenas uma teoria.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.