03
Compartilhamentos

Quais são os limites dos testes de DNA de ancestralidade?

Nos últimos anos, os testes de DNA começaram a se popularizar não apenas para verificar a paternidade, mas como uma ferramenta importante para descobrir a ancestralidade, possíveis doenças hereditárias, além de outras características que podem melhorar o bem-estar do indivíduo que faz o sequenciamento genético. Contudo, quais são os limites desses testes? Eles são realmente confiáveis? 

 O que os testes de DNA podem dizer sobre ancestralidade?

Empresas americanas dizem em suas propagandas que o teste de DNA conta a história de quem você é, conectando populações ao redor do mundo. Inclusive, algumas empresas já fizeram parceria com companhias de viagem e turismo para ajudar os clientes a planejarem as férias conforme sua ancestralidade.

No país, é possível adquirir um teste a partir de R$ 100,00 e o valor máximo pode chegar a R$ 800,00. (Fonte: Pixabay/Reprodução)No país, é possível adquirir um teste a partir de R$ 100,00 e o valor máximo pode chegar a R$ 800,00. (Fonte: Pixabay/Reprodução)

Por meio dos testes de ancestralidade, é possível fazer o mapeamento genético e descobrir quem são os seus antepassados com um percentual de cada região que compõe seu DNA. Além disso, há empresas que oferecem ferramentas de busca parentes, em que é possível encontrar pessoas que compartilham trechos de DNA semelhantes ao seu. 

No Brasil, os testes de ancestralidade começaram a se popularizar recentemente, mas nos Estados Unidos, segundo o MIT Technology Review, mais de 26 milhões de pessoas já haviam feito o teste até 2018. 

Quais os limites dos testes de DNA?

Gêmeos idênticos têm DNA virtualmente idêntico. Ou seja, na teoria, os testes de DNA de ancestralidade deveriam obter o mesmo resultado, certo? Na teoria sim, mas na prática não. 

De acordo com uma investigação realizada pela Canadian Broadcasting, gêmeos não costumam apresentar os mesmos resultados de uma única empresa. A investigação também percebeu que a ancestralidade pode diferir de uma empresa para outra.

Em um teste realizado por uma empresa, um gêmeo tinha 13% de representatividade “amplamente europeia” enquanto o outro gêmeo mostrou apenas 3% dessa mesma ancestralidade. Os gêmeos ainda fizeram testes com outras cinco marcas e cada uma apresentou um resultado diferente. Então, o que explica essas diferenças?

Como essas análises são feitas?

No geral, as discrepâncias apresentadas nos testes de ancestralidade não significam que a ciência genética é uma fraude ou que as empresas inventam números. O que ocorre é uma limitação científica e algumas suposições que as empresas fazem ao analisar o DNA para ancestralidade. 

Quando as marcas vão realizar a análise genética, elas decompõem a ancestralidade dizendo que alguém é 25% italiana, 75% do leste asiático e assim por diante. O que nem sempre fica claro para o usuário é que os relatórios se baseiam em estimativas e que podem conter erros. Além disso, conforme os laboratórios coletam mais resultados de outros usuários, esses dados podem mudar. Então, o que significa dizer que você é 40% grego? 

Para responder essa pergunta é importante entender todo o processo. Primeiramente, há a coleta para o exame — é possível fazer a análise via saliva, fio de cabelo ou sangue. 

Nós temos 3 bilhões de pares de bases, que são instruções de letras individuais no nosso código genético, compondo o genoma humano. Quando essa amostra chega até a empresa, ela não analisa cada uma dessas letras. 

Como os seres humanos possuem cerca de 99,9% do DNA em comum, para acelerar o processo, os pesquisadores procuram as localizações no genoma onde as pessoas geralmente variam umas das outras. 

Falando em termos científicos: em pontos do nucleotídeo, que é uma molécula que forma a metade de um par de bases, eu posso apresentar  a base adenina e você timina, que são estruturas do DNA. Essas mudanças em uma única letra ajudam a explicar porque uma pessoa é alta e outra é baixa e uma tem cabelo escuro e outra claro. Cientificamente isso se chama polimorfismos de nucleotídeo único ou SNPs. 

As empresas podem analisar meio milhão de SNPs ou mais em um teste de ancestralidade. (Fonte: Freepik/Reprodução)As empresas podem analisar meio milhão de SNPs ou mais em um teste de ancestralidade. (Fonte: Freepik/Reprodução)

Depois que a empresa recebe a amostra, ela precisa extrair o DNA. O DNA extraído é alimentado por uma máquina chamada matriz de genotipagem que mostra quais versões de SNPs foram herdadas e em qual local do genoma ele está. 

Os SNPs são transmitidos de geração em geração, por isso, quanto mais tivermos em comum com outra pessoa, maior será a probabilidade de compartilhar uma ancestralidade comum. Assim, a ancestralidade é estimada comparando os seus resultados de SNP com um banco de dados genético de ancestrais conhecidos. 

Aqui está a primeira fonte possível de diferença nos testes. Embora elas tenham precisão, cerca de 99,9%, há possibilidades de erro. Em um milhão de análises, mil erros podem surgir e esses erros podem estar ligados às diferenças dos gêmeos citados no início do texto. Já as diferenças que surgem entre empresas deve-se ao fato de que cada marca analisa os dados de uma forma, baseado em seus próprios bancos com grupos de referência distintos. 

As próprias empresas admitem que com o passar do tempo os bancos de dados vão ficando mais robustos e as taxas de análise vão modificando as referências. Outro ponto é que os grupos de referência são autointitulados e nem sempre as empresas têm dados de pessoas de todos os cantos do mundo. Ou seja, quando há uma limitação de diversidade geográfica e étnica, os algoritmos fazem suposições. 

Além disso, conforme as gerações vão avançando, não necessariamente o próximo na árvore genealógica receberá toda a carga genética do seu ancestral. Assim, em algum momento, uma geração pode não possuir nenhum DNA de um ancestral. 

Portanto, é importante saber que nem tudo sobre a história de uma família é geográfico ou poderá ser mensurado em um teste de DNA.

Descubra sua Ancestralidade com a Genera

O teste faz o mapeamento genético e te mostra suas ancestralidades. Você pode fazer o teste em casa, por saliva, e mandar para o laboratório analisar.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.