Seja o primeiro a compartilhar

Vitamina C: 6 coisas que você deve saber sobre esse nutriente

Ter um aporte adequado de vitaminas e minerais é imprescindível para ter uma vida saudável e a vitamina C é um nutriente que também precisa estar em quantidade adequada no nosso organismo.

A vitamina C é muito famosa na questão da imunidade — não quer pegar uma gripe ou resfriado? É só tomar vitamina C (aquela efervescente, sabe?), um limãozinho espremido ou um suquinho de laranja. Mas será que funciona assim mesmo?

A seguir, acompanhe as 6 coisas que você deve saber sobra a vitamina C e mate essa curiosidade.

1. O que é a vitamina C e qual a sua importância e benefícios?

a(Fonte: Shutterstock)

A vitamina C é um micronutriente conhecido como ácido ascórbico, e é hidrossolúvel, ou seja, se dilui em água. Há muitos estudos que enfatizam a sua importância, pois desempenha muitas funções importantes no nosso metabolismo e é imprescindível para o nosso organismo. Assim, novos estudos e artigos vão surgindo com conhecimentos mais recentes para esclarecer realmente no que esta vitamina é capaz de atuar.

Benefícios e sua importância

Antioxidante, a vitamina C ajuda na melhora do sistema imunológico e na prevenção de gripes, resfriados e infecções, além de:

  • Atuar na cicatrização de feridas;
  • Prevenir o escorbuto;
  • Realizar a biossíntese das catecolaminas (neurotransmissores);
  • Ajudar na absorção do ferro (consumir frutas cítricas que possuam vitamina C junto das refeições ajuda a prevenir a anemia);
  • Sintetizar o colágeno (proteína que ajuda na firmeza e elasticidade da pele);
  • Participar do metabolismo de lipídios, melhorando o colesterol e a pressão arterial;

Estudos recentes ainda revelam que a vitamina C pode ser benéfica para o tratamento de alguns tipos de câncer.

2. Quais são as principais fontes de vitamina C?

s(Fonte: Shutterstock)

Como o nosso corpo não produz vitamina C, precisamos de fontes que nos ofertem esse nutriente: os alimentos. Os principais que possuem esta vitamina são: frutas, legumes e verduras (FLV), como acerola, caju, mexerica, goiaba, laranja, mamão, manga, morango, kiwi, carambola, pimentão amarelo, couve, agrião etc.

Vale lembrar que a vitamina C se mistura na água, ou seja, quando esses alimentos são cozidos ou expostos a altas temperaturas, eles podem perder parte de sua vitamina, por isso, prefira consumi-los da forma mais natural e crua possível.

3. Quais são os sintomas da deficiência de vitamina C?

Segundo o artigo científico Dietary Vitamin C in Human Health, os dados epidemiológicos indicam que 5% da população possuem deficiência de vitamina C e 13% estão sob o parâmetro subótimo. Já o artigo Vitamin C and Immune Function diz que estudos indicam que a hipovitaminose C é ainda comum nas populações ocidentais, e é a quarta deficiência de nutrientes mais prevalente nos Estados Unidos. Os primeiros sintomas que aparecem em quem não consome esse nutriente suficientemente são fadiga, fraqueza, cansaço., apatia, e dores em todo o corpo.

4. O que é o escorbuto?

a(Fonte: Shutterstock)

O escorbuto é uma doença causada pela deficiência de vitamina C. Foi epidemia em várias regiões da Europa no final da Idade Média e isto ocorria porque marinheiros ficavam muito tempo em suas viagens de navio e não tinham como se alimentar e se nutrir de forma correta, desencadeando o escorbuto pela falta de vitamina C em suas refeições.

Assim, quando a doença foi descoberta e relacionada com as mortes, mais estudos foram feitos e a ingestão de frutas cítricas se tornou obrigatória para estes marinheiros. Os sintomas do escorbuto são dentes moles, sangramento na gengiva e hemorragias em vários lugares do corpo, dores e edemas nas articulações, tonturas e alterações cutâneas.

5. Quais são os níveis adequados de vitamina C?

A recomendação diária para a manutenção de vitamina C difere para cada caso, mas há especificações para gênero e idade encontradas no Dietary Reference Intakes (DRIs), mostrando qual é a "Ingestão Dietética Recomendada" (Recommended Dietary Allowance, ou RDA).

O ideal é esta orientação ser passada de forma individualizada por um profissional da saúde. Já os níveis adequados de referências para exames laboratoriais, que às vezes podem mudar levemente de um laboratório para o outro, é aproximadamente de 4,6 a 15 mg/L.

É bom salientar também que mesmo sendo difícil de ocorrer, há também a hipervitaminose de vitamina C (que é a intoxicação por um desses nutrientes), então nunca exagere na dose, pois ela também pode causar sintomas desagradáveis, como a formação de cálculos renais e reações gastrointestinais.

6. Como funciona a suplementação de vitamina C?

a(Fonte: Shutterstock)

A suplementação de qualquer vitamina ou mineral deve ser feita apenas sob prescrição de um médico ou nutricionista capacitado, e claro, apenas se houver deficiência nutricional. Muitas vezes não conseguimos atingir a recomendação diária de vitamina C na nossa alimentação, acontecendo assim, a hipovitaminose, por isso a suplementação é muito importante, prevenindo doenças e aumentando a qualidade de vida do indivíduo.

A suplementação de vitamina C pode ser feita por meio de cápsulas, tabletes efervescentes e até de maneira intravenosa para pacientes graves. A carência de uma vitamina ou mineral nem sempre tem relação com a baixa ingestão das fontes destes alimentos, mas também por problemas de absorção, metabólicos e fisiológicos.

***

Marcela Andrade Lopes, colunista semanal do Mega Curioso, é bacharel em Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas, bacharel em Nutrição, perita judicial na área da Nutrição, e pós-graduanda em Saúde Pública com ênfase em Estratégia Saúde da Família.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.