Sepultamento de Da Vinci teve mendigos seguindo o caixão; entenda

Nascido no dia 15 de abril de 1452 em Anchiano, na antiga República de Florença, Leonardo da Vinci ficou conhecido por ser um dos maiores gênios a ter habitado a Terra e também pelo seu incrível talento artístico. Responsável por um dos quadros mais famosos da história — a Monalisa —, o italiano se mostrou dono de múltiplas facetas, atuando como pintor, engenheiro, inventor, músico, arquiteto, escultor, astrônomo e escritor. 

Da Vinci possuía a incrível capacidade de representar em seus trabalhos todas as mudanças que aconteciam durante o final da Idade Média na Europa, tornando-se um símbolo para o seu tempo e um dos grandes nomes da Renascença. Aos 67 anos, porém, morreu vítima de um derrame, mas não antes sem deixar um último desejo condizente com sua trajetória peculiar.

O último desejo de Leonardo da Vinci

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Em seu testamento, da Vinci deixou explícito o passo a passo sobre como gostaria que acontecesse o seu sepultamento. Falecido em um castelo em Clos Lucé, na França, o pintor pediu para ser enterrado nos arredores da residência onde havia passado os últimos anos de sua vida.

Além disso, o caminho feito pelo caixão deveria ser acompanhado por membros da família, amigos, nobres e mais 60 mendigos. Por mais que o pedido causasse estranheza entre as pessoas mais próximas, a determinação foi acatada e o procedimento ocorreu exatamente como o ordenado.

Por mais que da Vinci vivesse em um castelo luxuoso, não foi difícil encontrar moradores de rua para acompanharem o cadáver, visto que a região era bastante pobre e abrigava muitos miseráveis. De acordo com historiadores, cada um dos participantes da cerimônia foi recompensado financeiramente por ajudar durante a marcha fúnebre. 

Motivos do sepultamento

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Responsável por obras enigmáticas, da Vinci levava a vida da mesma forma que espelhava sua arte: misteriosamente. O chamado pela presença dos moradores de rua no evento levantou estranheza entre os familiares, visto que o testamento não especificava nenhum tipo de motivação para que isso fosse necessário.

Uma hipótese levantada por pesquisadores é que o acontecimento esteja diretamente relacionado com o ambiente em que Leonardo cresceu e viveu. Filho bastardo, o italiano demorou a ser aceito pela alta sociedade, que sempre tentou controlar seu potencial criativo apesar de financiar seu trabalho.

Dessa forma, a convocação da multidão de mendigos poderia muito bem ter sido uma ironia ou ataque ao símbolo da nobreza e ao que aquilo significou em sua trajetória na Terra.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.