21
Compartilhamentos

Somos naturalmente monogâmicos ou isso nos foi imposto?

A monogamia é definida como um relacionamento envolvendo apenas um parceiro por vez. Pode ser algo emocional ou sexual, mas geralmente são só os dois. Facilidade, baixa densidade populacional, limitação de habitat e até preservação da riqueza são algumas das teorias mais debatidas sobre o que deu origem a essa prática.

(Fonte: Felipe Sodré/ Pexels/ Reprodução)(Fonte: Felipe Sodré/ Pexels/ Reprodução)

Porém, nem tudo é tão simples assim, especialmente quando consideramos o que já sabemos em evolução e comportamentos na natureza. 

Está curioso para saber mais sobre esse assunto? Vem com a gente!

Monogamia e poligamia na natureza

Se a monogamia é algo comum em diversas culturas humanas, na natureza nem sempre ela é útil. Geralmente, os machos têm vantagens se praticarem a poligamia, já que a cada parceira a possibilidade de sucesso reprodutivo é maior. O mais legal é que muito do que é observado no meio ambiente pode ser utilizado para estudar a nossa própria espécie.

(Fonte: Andrea Piacquadio / Pexels/ Reprodução)(Fonte: Andrea Piacquadio / Pexels/ Reprodução)

Tanto para os humanos quanto para os animais ser monogâmico ou poligâmico tem seus pontos positivos e negativos. Por exemplo, parceiros múltiplos podem gerar problemas com a capacidade imunológica da prole, doenças sexualmente transmissíveis e conflitos sexuais.

E, claro, quanto mais os machos de uma espécie formam laços com diferentes fêmeas, maiores serão as dificuldades para cuidar de todas as parceiras. Como complicações adicionais também tendem a não conseguir cuidar e proteger adequadamente a ninhada. 

Na lista de coisas positivas, além de um maior poder reprodutivo, os machos não monogâmicos obtêm mais recursos, a exemplo da possibilidade de ganharem mais presentes nupciais das parceiras e até mimos de seus filhotes.

Na genética também é possível perceber alguns benefícios da poligamia: quando existe a oportunidade de trocar de parceiras sem nenhuma limitação, encontrar aquelas que garantam descendentes de maior qualidade e resistência, que sejam geneticamente mais variáveis ou sexualmente atraentes, torna-se muito mais fácil.

Além de tudo isso, os machos de espécies que praticam a poligamia têm menor probabilidade de passarem a vida com uma parceira que não gere filhotes com boa qualidade genética ou que seja infértil. Importante destacar que todos os prós e contras também são válidos para as fêmeas.

Monogamia forçada

O fato é que ainda não existem respostas científicas categóricas sobre os motivos que levaram várias culturas a adotarem ou “evoluírem” para um comportamento monogâmico. Mas, novamente, observando o reino animal, é possível tirar algumas teorias.

(Fonte: Andrea Piacquadio / Pexels/ Reprodução)(Fonte: Andrea Piacquadio / Pexels/ Reprodução)

Em algumas aranhas e insetos, uma espécie de plugue é introduzido pelo macho no canal reprodutivo da fêmea após o acasalamento com o intuito de impedir que ela copule com outro macho. 

Um exemplo desse caso é o Bombus terrestris, mais conhecido como mamangava-de-cauda-amarela-clara, um abelhão comum na Europa. Esse bichinho insere um tipo de tampão de acasalamento na fêmea que contém ácido linoleico impedindo que ela tenha vontade de reacasalar.

Contudo, as fêmeas também podem fazer com que os machos tornem-se monogâmicos. No caso da espécie de pardal Passer domesticus, quem é responsável por alimentar os filhotes são os machos. Já as fêmeas, quando descobrem que outras acasalaram com seu macho, tornam-se extremamente violentas podendo até matar os filhotes das rivais.

Fantasia romântica

Algumas linhas de estudo da psicologia sugerem que a ideia de monogamia não passa de uma fantasia romântica entre os seres humanos. Ou seja, que a possibilidade de duas pessoas permanecerem consideravelmente bem, felizes e sem desejar mais ninguém com base em um acordo sexual exclusivo por toda a vida é simples ilusão.

(Fonte: Ketut Subiyanto / Pexels/ Reprodução)(Fonte: Ketut Subiyanto / Pexels/ Reprodução)

Sistema de casamento, não de acasalamento

A psicologia evolutiva tenta obter alguma luz sobre esse tema. Para essa área de estudo, analisar a monogamia a partir de um ponto de vista intercultural deixa claro que ela não é um padrão universal. 

(Fonte: SplitShire/ Pexels/ Reprodução)(Fonte: SplitShire/ Pexels/ Reprodução)

Aliás, diversas culturas tratam a poligamia como algo legal. Quem tem algum conhecimento da história bíblica, por exemplo, já deve ter notado que ter várias esposas era uma prática comum à maioria dos reis e patriarcas, assim como é algo recorrente e normal em algumas culturas do Oriente Médio, por exemplo.

Kit Opie, antropólogo evolucionário da University College London, aponta que a monogamia é coisa que existe há somente 1.000 anos. Mas apesar de a poligamia ser prática em vários povos, os seres humanos ainda tendem para a monogamia, mesmo que essa não tenha sido a norma de nossos ancestrais. Até mesmo outros primatas, grupo de mamíferos dos quais os seres humanos fazem parte, são polígamos.

Para Opie, a monogamia é um sistema de casamento, não de acasalamento. Ou seja, sua origem tem como base o fato de que as pessoas queriam preservar mais suas riquezas, transferindo suas conquistas aos descendentes. Algo que surge como consequência do nascimento de grandes sociedades.  Quanto ao futuro? Bom, ainda não é possível prever como nos relacionaremos.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.