Seja o primeiro a compartilhar

5 ensinamentos sobre saúde obtidos com pesquisas sobre gêmeos

Quem nunca viu gêmeos e começou a fabular se eles dividiam sonhos, desejos, dores e pensamentos? Até a Ciência já se debruçou em extensos artigos sobre as diferenças comportamentais e de saúde entre eles.

Mas você sabia que as pesquisas com gêmeos já deram à humanidade respostas importantes sobre nossa saúde? Então nos acompanhe para conhecer algumas destas revelações.

1. Tabagismo e as fraturas ósseas

(Fonte: Unsplash).(Fonte: Unsplash).

Pesquisadores australianos, em 1994, realizaram um trabalho em que compararam 20 pares de mulheres gêmeas, dentre as quais apenas uma de cada par era fumante há bastante tempo.

Foi possível concluir que consumir um maço de cigarros por dia, ao longo de 20 anos, aumentou a perda de densidade óssea. Na prática, essa perda poderia levar ao desenvolvimento de osteoporose, o que dobraria o risco de ocorrer fraturas.

2. Problemas anteriores ao parto não são, necessariamente, a causa de epilepsia

(Fonte: iStockPhoto).(Fonte: iStockPhoto).

Desde a década de 1960, estudos com gêmeos foram realizados demonstrando que uma mistura de genes e ambiente causava epilepsia, grupo de distúrbios nos quais a atividade cerebral é anormal, e o principal sintoma são as convulsões.

Até o início da década de 1990, obstetras e parteiras, por vezes, eram considerados culpados de causar epilepsia, já que se acreditava que problemas ocorridos durante o parto fossem decisivos em causar estes eventos. Essa percepção mudou a partir de 1993, quando um estudo realizado com gêmeos não encontrou relação entre problemas durante o parto e o desenvolvimento de epilepsia.

3. Gêmeos idênticos são mais diferentes do que imaginamos

(Fonte: Brein in Actie).(Fonte: Brein in Actie).

Ainda que pareçam iguais, quase como cópias, gêmeos geneticamente idênticos têm diferenças estruturais e funcionais em seus genes, causadas por uma sequência de eventos aleatórios e experiências individuais no útero.

Ainda que o local em que o óvulo fertilizado se instale seja aleatório, há alguns mais favoráveis ao crescimento do feto. Para gêmeos que se dividem antes de chegarem ao útero, isso pode resultar na instalação dos óvulos em locais diferentes, repercutindo de maneiras distintas no desenvolvimento dos bebês. Por essa razão, irmãos gêmeos podem apresentar diferença de peso, por exemplo.

4. Leucemia se origina antes do nascimento

(Fonte: Vida e Ação).(Fonte: Vida e Ação).

O desenvolvimento da leucemia (câncer do sangue) tem relação com uma mudança da sequência genética dos glóbulos sanguíneos. Contudo, como essas mudanças apresentam características muito particulares, não se sabia quando estas mudanças ocorreriam. Tudo mudou quando gêmeos idênticos foram diagnosticados com leucemia originada da mesma célula.

Essa descoberta possibilitou aos pesquisadores concluir que a leucemia havia iniciado em um dos gêmeos e se espalhado pelos vasos sanguíneos da placenta compartilhada. Mesmo com o início da leucemia anterior ao parto, o câncer progrediu de maneiras diferentes entre os gêmeos, inclusive com diagnóstico em idades distintas.

5. Gêmeos idênticos ou fraternos?

(Fonte: Jovem Nerd).(Fonte: Jovem Nerd).

Gêmeos idênticos se originam a partir da divisão do óvulo fertilizado, compartilhando quase a totalidade do DNA e sendo, geralmente, do mesmo sexo. Já os gêmeos fraternos são resultados da fertilização de dois óvulos quase concomitantemente, sendo geneticamente diferentes como qualquer outra dupla de irmãos, e podem ou não ser do mesmo sexo.

Ao contrário do imaginário coletivo, muitos gêmeos não sabem de qual tipo são. Para auxiliá-los, o instituto de pesquisa Twins Research Australia desenvolveu um teste capaz de elucidar a questão. A partir de "impressões digitais genéticas" do DNA, é possível descobrir se os gêmeos são idênticos ou fraternos. Uma pesquisa desse mesmo instituto descobriu que quase um terço dos gêmeos tinham sua identidade genética errada ou incerta.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.