Seja o primeiro a compartilhar

Tumor raro e bizarro é descoberto em túmulo egípcio de 3 mil anos

Enquanto escavavam um antigo cemitério egípcio, um grupo de arqueólogos fez uma descoberta rara: um tumor ovariano aninhado na pélvis de uma mulher que faleceu há mais de três milênios. O tumor, que era uma massa óssea com dois dentes, é o exemplo mais antigo conhecido de um teratoma — um tipo raro de tumor que normalmente ocorre nos ovários ou nos testículos.

Um teratoma pode ser benigno ou maligno, e é geralmente composto por vários tipos de tecido. Isso significa que ele pode apresentar músculos, cabelos, dentes ou ossos. Teratomas também podem causar dor e inchaço nos enfermos. Caso se rompam, eles podem causar um tipo de infecção muito grave. Atualmente, a retirada dessa massa por meio de procedimentos cirúrgicos é o tratamento mais típico para a doença.

Exemplares de teratoma

(Fonte: Projeto M. Wetzel/Divulgação)(Fonte: Projeto M. Wetzel/Divulgação)

De acordo com os pesquisadores envolvidos no estudo, existem apenas quatro exemplos arqueológicos de teratomas conhecidos anteriormente — três na Europa e um no Peru. Logo, a recente descoberta de um teratoma no cemitério do período do Novo Reino (1345 a.C.) em Amarna, no Egito, é apenas o quinto caso arqueológico publicado na literatura científica. Isso o torna o exemplo mais antigo conhecido de teratoma e o primeiro caso antigo encontrado na África. 

Amarna era uma cidade de cura duração na margem oriental do rio Nilo, a meio caminho entre as cidades do Cairo e Luxor. Ela funcionava como o centro de adoração do faraó Akhenaton ao deus do sol Aton e também foi lar de sua corte real. Embora a cidade incluísse templos, palácios e outros edifícios que sustentavam uma população de 20 mil a 50 mil habitantes, ela foi abandonada uma década após a forte de Akhenaton em 1336 a.C.

Quatro grandes cemitérios associados a Amarna foram investigados por arqueólogos. Em uma tumba no Cemitério North Desert, que consistia em um poço e uma câmara mortuária, os investigadores encontraram o esqueleto de uma mulher de 18 a 21 anos enrolado em uma esteira de fibra vegetal. Ela foi enterrada com vários bens funerários, incluindo um anel decorado com a figura de Bes, uma divindade frequentemente associada ao parto, fertilidade e proteção. 

Durante a escavação, os arqueólogos notaram algo incomum na pélvis da mulher: uma massa óssea do tamanho de uma uva grande com duas depressões que continham dentes formados. Foi assim que o teratoma foi identificado. 

Figura de proteção

(Fonte: Projeto M. Wetzel/Divulgação)(Fonte: Projeto M. Wetzel/Divulgação)

O anel de Bes, encontrado junto da mulher enferma, pode sugerir que o teratoma era sintomático, pois este era um objeto "mágico-médico" colocado na mão esquerda do cadáver — a qual estava dobrada no colo acima do teratoma. Isso pode significar que a mulher estava tentando invocar Bes para protegê-la da dor ou de outros sintomas. 

Pesquisas anteriores em Amarna sugerem que as mulheres desta idade, entre 18 e 21 anos, estavam envolvidas numa série de profissões, que podem ter incluído trabalhar em projetos de construções estatais, fábricas de cerveja ou cuidado de hortas domésticas e de gado. 

A autora do estudo e bioarqueóloga da Southern Illinois University Carbondale, Gretchen Dabbs, ressaltou que muito trabalho ainda precisa ser feito para a análise completa das centenas de esqueletos escavados no ano passado em Amarna. Porém, os planos incluem investigar as relações biológicas entre as pessoas enterradas lá, bem como averiguar profundamente outros cemitérios egípcios com outros potenciais objetos "mágicos-médicos". 

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.