Seja o primeiro a compartilhar

Negligência administrativa motiva desastre da represa Vajont em 1963

Na noite de 9 de outubro de 1963, a cidade de Longarone, no nordeste da Itália, sofreu a maior tragédia de sua história, quando o deslizamento de toneladas de rochas em uma montanha causou o transbordamento das águas da represa Vajont, resultando na morte de quase metade dos habitantes da pequena vila. Quase 57 anos depois, a história ainda é lembrada por muitos, reforçando um caso de negligência administrativa que poderia ter sido evitada, salvando a vida de centenas de inocentes.

Obra de engenharia realizada por Carlo Semenza, responsável pelo projeto em nome da companhia Società Adriatica di Elettricità (SADE), a barragem Vajont sofreu durante décadas para ser construída, sendo aprovada, inicialmente, por Benito Mussolini ainda durante a Segunda Guerra, mas formalizada apenas anos depois, com a injeção de dinheiro devido ao Plano Marshall de reconstrução europeia.

(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)
(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)

Com a conclusão das obras, em 1960, ela não demorou a ser internacionalmente reconhecida, surgindo como um marco na representação tecnológica e social, além de ser considerada a mais alta do mundo, possuindo cerca de 261 metros de altura e capacidade de armazenamento de 168 milhões de metros cúbicos. Porém, instabilidades geográficas causadas pelo estreito desfiladeiro estavam prestes a colocar todo o planejamento em risco.

População temerosa

Com a decisão por dar continuidade ao abastecimento da Vajont, a população das cidades vizinhas começou a temer pelo insucesso das obras, especialmente pelas lendas sobre a “montanha ambulante”, em que colapsos e deslizamentos regulares eram reportados no estreito desfiladeiro do Rio Piave. Infelizmente, a pressão não foi suficiente para tirar o monopólio da SADE, com habitantes e jornalistas passando a ser acusados de perturbar a ordem social.

(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)
(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)

A montanha passou a sentir o impacto das águas em poucos meses, registrando as primeiras rachaduras e chegando a causar um pequeno deslizamento, que foi simplesmente ignorado pelos engenheiros. Foi então que o contínuo enchimento acabou gerando a catástrofe e os primeiros sinais de queda de pedras e árvores culminou em uma devastadora tsunami, que carregou cerca de 50 milhões de metros cúbicos d’água em uma velocidade de 109 km/h.

(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)
(Fonte: Wikimedia Commons/Reprodução)

No total, quase 2.500 mortes foram confirmadas, com aproximadamente metade da população de Langarone sendo dizimada, algo que levou o presidente da empresa que construiu a estrutura, o presidente do Conselho Regional de Obras Públicas e um engenheiro da SADE a seis anos de prisão, por motivos de negligência e homicídio culposo.

Atualmente, o desastre é catalogado pela UNESCO como uma das maiores tragédias ambientais causadas pela ação humana.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER