33
Compartilhamentos

As atrocidades cometidas por Mussolini não conheceram limites

Benito Mussolini (1883-1945) foi um monstro, e os crimes que cometeu falam por si só, ainda que, por vezes, fiquem perdidos em meio aos horrores sem precedentes desempenhados pelo Japão e pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial — considerado o período em que ocorreram os piores crimes contra a humanidade.

O regime fascista que ele estabeleceu na Itália pós-Primeira Guerra Mundial, em 1921, fomentou mudanças que o mantiveram no controle do país por 15 anos, usando força bruta para se manter no poder e ajudar Adolf Hitler (1889-1945) a tentar dominar a Europa.

Além de subverter todos os pilares democráticos do país ao pregar o nacionalismo revolucionário, estabeleceu uma autoridade ditatorial por meio ilegais, assassinou seus inimigos políticos, aprovou invasões, reprimiu a classe trabalhadora, privou a liberdade de expressão e priorizou os ricos — o líder fascista conseguiu ser ainda mais inescrupuloso.

Guerra química

(Fonte: Genially/Reprodução)(Fonte: Genially/Reprodução)

No final da década de 1890, a Itália fracassou ao tentar ocupar e controlar a Abissínia (atual Etiópia), a única nação independente em todo o território, enquanto todo o continente africano era atacado, invadido, colonizado e explorado pelas potências europeias, especialmente a britânica e a francesa.

Com o declínio do tráfico negreiro, o colonialismo foi visto por essas mesmas potências como a maneira mais lucrativa para manter o dinheiro entrando. Em meados de 1935, Mussolini tentou invadir a Abissínia usando uma disputa de fronteira com a Somalilândia como desculpa.

(Fonte: BBC/Reprodução)(Fonte: BBC/Reprodução)

Em maio do ano seguinte, a capital Addis Ababa não resistiu e cedeu nas mãos do exército italiano, lançando o imperador Haile Selassie I (1892-1975) a um exílio forçado. Para manter uma fachada, Mussolini vendeu a invasão ao povo italiano como um método de conseguir empregos para os desempregados e colocar recursos naturais de outra nação nas mãos da Itália que, segundo ele, eram essenciais para combater os efeitos da Grande Depressão.

O ditador violou imediatamente a Convenção de Genebra, que tinha várias falhas na época, no momento em que ordenou que seus soldados usassem gás mostarda como arma química para combater o exército da Abissínia. No entanto, muitos civis e a própria Cruz Vermelha foram atacados pelos soldados, resultando na morte de mais de 100 mil etíopes por envenenamento.

Alianças malignas

(Fonte: Genially/Reprodução)(Fonte: Genially/Reprodução)

O poder de Mussolini cresceu, e a situação piorou quando ele firmou o chamado Pacto de Aço, em 22 de maio de 1939, com Adolf Hitler — concretizando os piores temores dos Estados Unidos, que esperavam se manterem neutros em relação ao regime fascista italiano.

Em 6 de abril de 1941, a Alemanha e a Itália lançaram ataques simultâneos à Iugoslávia e à Grécia, que era a última grande aliada da Inglaterra que ainda se mantinha "em pé" na Europa. Com a invasão do Eixo, a Iugoslávia se viu em meio a uma guerra civil.

O general italiano Mario Roatta (887-1968) ordenou que os suspeitos inimigos do exército italiano fossem presos e executados, e tantos outros transportados para campos de concentração. Os soldados também deflagraram um rastro de terror pelo país, queimando casas, destruindo aldeias e terrenos agrícolas para poder colocar todos de joelhos.

(Fonte: HIstoric Clothing/Reprodução)(Fonte: HIstoric Clothing/Reprodução)

Já a Grécia foi controlada por Mussolini desde sua invasão e ocupação, com seus recursos esgotados até o máximo após ter derrotado a Itália em uma guerra insípida vários anos antes, que deixou mais escombros do que a Primeira Guerra Mundial para a Inglaterra. Os gregos até tentaram resistir, mas Mussolini coibiu qualquer tentativa com execução à primeira vista.

O processo de destruição que sofreu a Iugoslávia não foi muito diferente da Grécia. Aldeias inteiras também foram queimadas, bem como fazendas, e civis pendurados pelas ruas ou arrastados em tanques para dar o exemplo. No entanto, em vez de se ajoelharem à dominação, o instinto de resistência apenas cresceu, levando à expulsão do exército italiano em 1943 do território, mas não antes de sofrer de uma fome generalizada que "soprou a vida" para fora dos corpos de 300 mil gregos.

Mas esses dois países não foram os únicos a serem massacrados pela política genocida de Mussolini, pois o mesmo aconteceu com a Líbia na mesma época. Resistindo à ocupação desde 1912, o povo líbio foi alvo de ataques brutais, baleados diariamente nas ruas ou atropelados por tanques de guerra de maneira deliberada ou transportados por aviões apenas para serem torturados e jogados em pleno ar.

(Fonte: The Guardian/Reprodução)(Fonte: The Guardian/Reprodução)

Os beduínos foram expulsos do país ou forçados a campos de concentração e trabalho escravo, sucumbindo a surtos de doenças que ocasionaram a morte de cerca de 40 a 100 mil pessoas, conforme dados do TheInfoList. As crianças também não escaparam das atrocidades feitas pelo exército italiano, que as estuprou até a morte, bem como as mulheres.

Todo o horror disseminado por Mussolini durou até 25 de julho 1943, após 3 anos lutando na Segunda Guerra Mundial, em que o povo italiano sofreu grandes baixas devido ao seu nível de despreparo para lutar em um conflito daquela magnitude. O homem ainda governou no norte do país a mando das forças nazistas que invadiram a Itália, porém ele foi obrigado a fugir quando os Aliados invadiram o país em 1945.

Benito Mussolini encontrou seu fim em 28 de abril daquele ano, executado no vilarejo de Giulino di Mezzegra, no norte da Itália, por guerrilheiros antifascistas.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.