Âmbar de 100 milhões de anos revela piolho em pena de dinossauro

Âmbar de 100 milhões de anos revela piolho em pena de dinossauro

Último Vídeo

Pesquisadores chineses descobriram fósseis de piolhos pré-históricos preservados em âmbar, datando do período Cretáceo, misteriosamente juntos a penas de dinossauros. Os parasitas, encontrados pela primeira vez em forma cristalizada, registram um fato importante para o estudo da biologia, comprovando que os insetos são bem mais antigos do que o imaginado e que, desde antes do início da história, já parasitavam as enormes criaturas.

https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/12/10/dinossauros-com-penas-tambem-tinham-piolhos.ghtml
(Fonte: Nature Communications/Reprodução)

Em entrevista para o site Smithsonian, o paleontologista chinês Chungkun Shih, um dos pesquisadores que descobriram o fóssil, afirmou que “a preservação em âmbar (um tipo de resina fossilizada) é extremamente boa, tão ótima que é quase como se os insetos ainda estivessem vivos”, e que "este novo inseto, chamado Mesophthirus engeli, apresenta uma série de caracteres morfológicos dos parasitas externos: um corpo minúsculo sem asas, uma cabeça com grandes peças bucais feitas para mastigar, antenas curtas e robustas".

Shih também confirmou que o parasita não se alimentava de carne, mas sim de penas. As conclusões sobre o parasitismo em dinossauros só foram possíveis após a análise de uma estrutura em âmbar contendo cerca de dez insetos e duas penas de dinossauros, com uma delas danificada como se tivesse sido comida por algum inseto. O estudo foi continuado por cerca de dois anos e realizado na província Kachin, no norte de Mianmar.

https://www.sciencemag.org/news/2019/12/even-dinosaurs-had-lice-fossils-entombed-amber-reveal
(Fonte: Chen Wang/Reprodução)

"Uma das duas penas é consistente com as encontradas ao lado de um fragmento de cauda de dinossauro birmanês, enquanto a outra parece mais semelhante àquelas encontradas ao lado de pássaros com dentes primitivos", explicou o paleontólogo Ryan McKellar.

A descoberta marcou uma nova fase no estudo das criaturas pré-históricas, com a descoberta de insetos que se alimentavam de penas de animais. Além disso, forneceu preciosas informações sobre a árvore evolutiva dos piolhos, que, segundo Shih, "durante a história da humanidade, pulgas causaram a peste negra e até hoje nós somos afetados por parasitas mastigadores e chupadores de sangue”, justificando a permanência da presença ativa dos insetos na história da humanidade.

A descoberta dos "insetos mais antigos que se alimentam de penas" pode propôr um avanço no estudo dos parasitas, tratando-se de uma descoberta que "é uma adição interessante ao crescente registro de parasitas, como carrapatos e ácaros, que foram associados à penas do Cretáceo".

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.