Seja o primeiro a compartilhar

Veneno de caracol marinho pode ser eficaz no combate a diabetes

Cientistas do Centro de Saúde da Universidade de Utah, Estados Unidos, identificaram uma promissora solução para o tratamento de pacientes com diabetes, sugerindo a produção de uma insulina que age mais rapidamente do que as convencionais e mantendo a mesma potência experimental. Conhecida temporariamente por insulina híbrida, ou mini-insulina, o medicamento utiliza substâncias venenosas do caracol Conus geographus, um raro espécime de molusco predador.

Segundo publicação na revista Nature Structural and Molecular Biology, o veneno, utilizado pelo animal como uma espécie de teia que paralisante, causando um choque hipoglicêmico que mantém a presa viva pelo tempo necessário para ser alcançada pelo caracol, possui uma interessante estrutura molecular semelhante à insulina aplicada em humanos, configurando uma alternativa natural para o desenvolvimento de medicamentos com resultados mais imediatos.

De início, a análise da estrutura bioquímica da substância indicou que, isoladamente, age mais lentamente que os medicamentos tradicionais voltados para o tratamento da diabetes, como as bombas de insulina. Após estudos de caso, testes sintetizando o veneno com o hormônio humano indicaram que, juntos, possuem interessantes propriedades complementares, com um sendo acionado imediatamente pelo organismo e outro acelerando o processo de recuperação dos índices glicêmicos.

(Fonte: Universidade de Utah/Reprodução)(Fonte: Universidade de Utah/Reprodução)

A união das composições foi capaz de desenvolver uma insulina sintética, contando com o suporte de quatro aminoácidos essenciais do veneno, todos responsáveis por reforçar as funções do pâncreas que, sem eles, acaba sobrecarregando por ter que agir na separação e no reenvio das proteínas para a corrente sanguínea. 

“Com poucas substituições estratégicas, geramos uma estrutura molecular de insulina potente e rápida, e a menor produzida até o momento”, esclareceu Danny Hung-Chieh Chou, bioquímico do Centro de Ciências da Saúde de Utah e autor do projeto. 

Após testes laboratoriais em ratos e camundongos terem sido promissores, indicando que a insulina híbrida pode alcançar os mesmos efeitos das convencionais, porém de uma forma mais acelerada e menos danosa, espera-se que nos próximos anos já venha a ser devidamente aplicada em humanos, surgindo como uma “primeira candidata ao desenvolvimento de uma nova geração de tratamentos terapêuticos com insulina.”

Hostil para animais menores dos oceanos, o caracol venenoso pode surgir como um grande herói para a humanidade, conquistando uma importância especial para avanços significativos na área da saúde.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER